Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Televisão
Descrição de chapéu jornalismo

José Hamilton Ribeiro será homenageado na Globo meses após sua saída

Jornalista deixou a emissora aos 86 anos, após 41 na casa

José Hamilton Ribeiro é retratado em sua casa, no bairro da Aclimação, Zona Sul de São Paulo em 2015
José Hamilton Ribeiro é retratado em sua casa, no bairro da Aclimação, Zona Sul de São Paulo em 2015 - Bruno Santos/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O jornalista José Hamilton Ribeiro, 86, será homenageado no Globo Rural deste domingo (20), quase quatro meses após sua saída da emissora. Ele receberá o apresentador e repórter do programa Nélson Araújo, 70, em sua fazenda em Uberaba (MG).

Na conversa, Ribeiro irá relembrar momentos marcantes de sua trajetória na profissão, que ultrapassam os 60 anos na ativa. Desse total, 40 foram na Globo, a maior parte se dedicando ao Globo Rural.

No programa, José Hamilton Ribeiro fez reportagens especiais sobre o meio-ambiente, cultura popular, os animais, entre outras. Ele também se destacou por entrevistas com ícones da música sertaneja, com as duplas Tonico e Tinoco, Irmãs Galvão e o cantor e compositor Almir Sater.

O programa também terá cenas gravadas em Santa Rosa de Viterbo, no interior de São Paulo, terra onde nasceu o jornalista. Ali, foi feita uma visita ao Centro de Memória José Hamilton Ribeiro, antigo presídio da cidade, que conta com vários materiais produzidos pelo jornalista.

Em outro trecho do dominical, Ribeiro irá falar sobre o acidente que sofreu quando cobria a Guerra do Vietnã para a revista Realidade em 1968. Durante a viagem ao país asiático, o jornalista pisou em uma mina terrestre e perdeu uma perna.

SAÍDA DA GLOBO

A saída de José Hamilton Ribeiro estava acertada desde 2019 com a Globo para ocorrer em 2020, mas a emissora vinha adiando a rescisão em razão da pandemia. O desligamento se deu em comum acordo.

Com passagens pela revista Quatro Rodas e pela Folha de S.Paulo, ele chegou à Globo há 40 anos, onde trabalhou, também, em reportagens para o Globo Repórter e o Fantástico, além do Globo Rural.

A carreira foi iniciada há 64 anos na Rádio Bandeirantes. Hamilton escreveu 15 livros derivados de suas reportagens, a começar por "O Gosto da Guerra", sobre o Vietnã.

HOMENAGEM NA SAÍDA

Diretor de jornalismo da Globo, Ali Kamel escreveu uma longa carta homenageando o jornalista no momento de sua despedida. Veja a seguir:

"José Hamilton Ribeiro, nosso decano. Uma homenagem

Quando entrou na Globo, há mais de 40 anos, José Hamilton Ribeiro ou Zé Hamilton ou simplesmente Zé, já tinha uma carreira brilhante na imprensa escrita. Naquela época, um preconceito imperava: será que vai dar certo, será que um ícone de revista e jornal vai ter êxito na televisão? E José Hamilton ajudou a quebrar essa ideia, essa bobagem. Jornalista, mesmo, se adapta a qualquer linguagem, a todo tipo de narrativa. E Zé é jornalista, sempre foi. Chegou a se formar em Direito por desejo da mãe, mas nunca exerceu a profissão. Trabalhou no jornal 'A Tarde', na 'Folha de S.Paulo', 'Jornal da Tarde', revistas 'Quatro Rodas', 'Veja', e 'Realidade', esta, um marco no jornalismo brasileiro. E foi numa reportagem de 'Realidade' que aconteceu uma tragédia. Zé foi enviado para cobrir a guerra do Vietnã. No último dia de trabalho, acompanhando um grupo de soldados, pisou numa mina e perdeu uma perna. A reportagem virou capa da revista, com a foto do Zé ferido logo após o acidente. Isso poderia desanimar muita gente, mas não o Zé, que assumiu o caso com humor. Nas suas inúmeras palestras pelo Brasil, sempre lhe perguntavam se não era difícil ser repórter com uma perna só. E a reposta, madura e irônica, era que sim, mas era mais fácil do que ser repórter com quatro...

Essa era a bagagem que o Zé trazia pra TV e pra Globo. Num curto período no Globo Repórter, já encarou o desafio de mostrar o inferno de Serra Pelada no auge da mineração. Em seguida, vestiu o Globo Rural como uma luva, como me diz sempre Lucas Battaglin, editor do programa (Lucas me ajudou muito nessa homenagem que presto ao Zé, pelo seu conhecimento próximo, por seu carinho e por sua admiração). O pai de Zé foi pequeno produtor rural em Santa Rosa do Viterbo, município paulista onde nasceu. Não foi advogado pela vontade da mãe, mas se ligou em definitivo às histórias do campo pela índole do pai. Fez reportagens memoráveis como a dos ninhais do Pantanal ou a reconstituição de uma caçada de onça – bom frisar que a onça desse documentário saiu vivinha pra liberdade. Mostrou para o povo do campo e da cidade como vivem muitos bichos que são símbolo da nossa fauna como o tuiuiú, o raro tatu-canastra, os tamanduás brasileiros. Revelou a beleza da música sertaneja de raiz, a chamada música caipira, com campeões de venda de disco como Tinoco, da dupla Tonico e Tinoco, as irmãs Galvão, Mário Zan e recentemente, Almir Sater, o autor da trilha original do Globo Rural.

Um jornalista como Zé Hamilton só podia ganhar muitos, mas muitos prêmios na carreira. Arnon Gomes, autor de uma biografia sobre ele, deu um nome ao livro: "O jornalista mais premiado do Brasil". Pode ser ou não verdade. Mas expressa uma carreira brilhante. No Globo Rural, a imagem do Zé se consagrou em cada canto do país. Ele conta que as pessoas vêm lhe dar parabéns até por reportagens que não são suas. E a reportagem foi a função que ele mais abraçou em mais de 60 anos de jornalismo. Exerceu a vocação apregoada por um patrono do jornalismo brasileiro, João do Rio: a notícia está na rua. E uma qualidade de José Hamilton é saber conversar. Com gente pobre ou gente rica, com velho ou criança, com homens e mulheres, com pessoas. Pra contar sua infinidade de histórias, usou tudo quanto é meio de transporte: carro, avião, barco, caminhão, carroça, lombo de cavalo ou de burro, a pé.

Dentro da redação, José Hamilton é insistente, Lucas me conta. Sempre quer fazer o melhor. Numa de suas reportagens mais recentes para o Globo Rural, propôs – como sempre – uma pauta que só ele enxergava: a profusão de pássaros em uma mata do Instituto Butantã, o mesmo das vacinas contra a Covid ou dos soros contra picada de cobra. Tudo dentro de São Paulo, a maior metrópole do país. Foram dias e dias de trabalho. Quando perguntavam "e aí, Zé, acabou?", ele dizia que precisava de mais um dia, que se prolongava semana afora. Ele dizia que "ainda faltava gravar um passarinho". Ou dois... Tudo isso deixa o Lucas encantado e eu, que ouço essas histórias e as conto aqui, ainda mais.

Há alguns anos, as conversas com Zé Hamilton sobre parar vinham acontecendo. E nesse fim de novembro chegaram a termo. Lucas e nossos colegas do Globo Rural, porém, tiveram uma ideia muito bonita, que Zé Hamilton, sempre acanhado, acabou aceitando. Por alguns momentos vai deixar de ser o repórter para ser o entrevistado numa reportagem-homenagem que vai ao ar em fevereiro. Imperdível.

Em meu nome, em nome da Globo, em nome de seus colegas aqui e, digo sem medo, em nome dos jornalistas brasileiros, eu agradeço a Zé Hamilton por seus anos de trabalho. Uma contribuição inestimável ao jornalismo brasileiro.

Obrigado,

Ali"

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem