Televisão

'Verdades Secretas 2': Mayara Russi diz que estar na novela 'é revolucionário'

Modelo pretende estudar teatro com o fim das gravações

Mulher vestindo kimono preto holográfico e roupa preta transparente posando para foto em frente a um fundo branco

A modelo plus size Mayara Russi Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em sua estreia como atriz na televisão, como Vitória, em "Verdades Secretas 2" (Globo), a modelo plus size Mayara Russi, 32, vive, além de a realização de um sonho, a oportunidade de trazer a representatividade em papel de uma mulher poderosa e bem sucedida. "É muito revolucionário", afirma.

Russi diz ser importante estar em um papel que não seja de "coitadinha ou rejeitada", já que "nós, mulheres gordas, quando temos papel de destaque na TV, raramente atuamos como mulheres poderosas, empoderadas que se aceitam". Para ela, a pressão estética sob pessoas com corpos fora do padrão é gigante, e para mulheres é ainda pior.

"Todo mundo pergunta como está a nossa saúde, mas de quem é magro e se entope de ‘fast food’ ninguém pergunta nada", pontua a atriz. A modelo comenta que sua personagem carrega muitas experiências que ela já passou, dentro e fora das passarelas, e que ela irá gerar identificação em muitas pessoas.

"Isso vai dar ainda mais força para mostrar que a gente existe", completa em entrevista ao F5. Para a artista, a representatividade e debate sobre a gordofobia extrapola a tela da televisão e faz parte de sua vida. Ela diz que ressalta sempre como "precisamos de acessibilidade, reconhecimento e oportunidades na vida".

Russi relembra que sempre quis atuar em uma novela, em especial em alguma produção da Globo. Ela diz que no início da pandemia começou a fazer um curso de teatro online e algum tempo depois o convite para o papel surgiu. Após testes e uma seleção, ela conseguiu realizar seu sonho. "Sempre tive essa vocação", afirma.

"Desde pequena eu amo câmera, sempre dançava e cantava", conta. A artista comenta que fez teatro na escola durante sua infância e início da adolescência, quando, aos 15, iniciou a carreira de modelo. Ela afirma que o tempo no teatro a ajudou a lidar com o corpo e se sentir livre.

"A arte nunca foi preconceituosa, o que é preconceituoso é a imposição e a pressão estética", completa. A modelo diz que com o final das gravações da novela pretende voltar a estudar teatro e passar um tempo fora do Brasil, para aprimorar os estudos em inglês e espanhol.

Ela também torce para que seja realizada uma terceira temporada do programa Beleza GG (Canal E!), do qual ela faz parte e mostra sua rotina como modelo plus size. "Um programa desse, nesse tipo de canal foi uma revolução muito grande, muita gente assiste e se sente representada e pertencente", pontua.

Para a modelo, um dos pontos mais importantes do programa também é a não romantização da carreira no mundo da moda. "Muitas mulheres acham que por virar modelo todos os problemas de auto estima vão se resolver e não é bem assim", completa a artista.

Ela ainda comenta que, atualmente, a informação é mais acessível e o processo de desconstrução de preconceitos deve acontecer. Para Russi, a geração mais jovem traz uma mudança das anteriores e se preocupa com sentimentos e empatia. "Vejo uma mudança muito óbvia, mesmo que ainda tenha muito o que mudar", acrescenta.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem