Televisão

Regina Duarte e Globo oficializam rompimento de contrato após mais de 50 anos

Decisão acontece após atriz assumir secretaria no governo Bolsonaro

Retrato da atriz Regina Duarte na Cinemateca durante a gravação do programa "Plano Sequência"
Retrato da atriz Regina Duarte na Cinemateca durante a gravação do programa "Plano Sequência" - Jardiel Carvalho-25.nov.2019 /Folhapress
São Paulo

Regina Duarte, 72, não é mais funcionária da rede Globo. A oficialização do rompimento contratual da atriz aconteceu nesta sexta-feira (28), em nota divulgada pela emissora.

A decisão foi tomada em comum acordo, já que Regina aceitou convite de Bolsonaro para assumir a Secretaria Especial de Cultura. A atriz estava no elenco da emissora desde 1969, quando atuou no folhetim "Véu de Noiva".

Desde então, Regina deu vida a papéis marcantes na teledramaturgia brasileira. Ao todo foram 31 novelas, oito especiais e centenas de episódios em séries e minisséries na Globo.

"Deixar a TV Globo é como deixar a casa paterna. Aqui recebi carinho, ensinamentos e tive a oportunidade de interpretar personagens extraordinárias, reveladoras do DNA da mulher brasileira. Por mais de cinquenta anos sinto que pude viver, com a grande maioria do povo brasileiro, um caso de amor que, agora sei, é para sempre. E não existem palavras para expressar o tamanho da minha gratidão ", declarou a artista.

Regina Duarte deve tomar posse da secretaria na próxima quarta-feira (4). A previsão da data foi confirmada pela assessoria de imprensa da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência.

A atriz foi convidada pelo governo para assumir a pasta no dia 17 de janeiro. Ela entra no lugar de Roberto Alvim, demitido por Bolsonaro após publicar um vídeo parafraseando um ministro da Alemanha nazista.

"Que Deus me ilumine para que eu possa agora, na Secretaria Especial de Cultura do Governo Bolsonaro, honrar meus aprendizados em benefício das Artes e das Expressões Culturais da população do meu país”, completou Regina.

A decisão da atriz de entrar no mundo da política não agradou alguns ex-colegas, entre eles Maitê Proença, Carolina Ferraz, Luiz Fernando Guimarães, Carla Daniel e Ary Fontoura. O ator José de Abreu travou uma guerra de discussões com a atriz nas redes sociais.

Conhecido por ser apoiador histórico do PT, os ânimos entre José de Abreu e Regina se acirraram publicamente nas eleições presidenciais de 2018, quando ela manifestou o seu apoio ao então candidato Jair Bolsonaro.

O mais recente comentário do ator sobre Regina foi feito depois que ela aceitou o cargo. "Eu sei o que fizemos na sua casa, na Barra da Tijuca. Eu sou artista, assumo meus vícios e me liberei deles", escreveu. A mensagem foi apagada posteriormente pelo ator.

Os dois já fizeram par romântico na novela "Desejo de Mulher" (Globo), em 2002. Regina interpretava a estilista Andréa Vargas, casada há mais de 20 anos com Bruno Vargas, papel de José de Abreu. No primeiro capítulo da trama, os personagens trocam beijos apaixonados.

 

A última artista a manifestar seu apoio à Regina foi Susana Vieira, que durante o Carnaval na Sapucaí, no Rio, chamou a colega de maravilhosa. "Eu acho a Regina maravilhosa, e ela vai fazer bem [o trabalho na Secretaria]. Quero que todo mundo a respeite. Quem não respeitar, vou sair na porrada. Pronto, já dei a frase que vocês [jornalistas] queriam”, afirmou.

O jornalista Marcelo Tas mostrou um posicionamento positivo em relação à nomeação da atriz. "Na situação que nós temos no Brasil, de agressividade em relação aos artistas, eu vejo a Regina Duarte com bons olhos. Pelo menos é uma pessoa que é de dentro da classe. Diante de um governo que conseguiu por uma parte da população contra a cultura, eu a vejo como uma solução, uma saída", disse.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem