Música

Marília Mendonça é artista brasileira mais ouvida no Spotify em 2021

Rainha da sofrência ficou em terceiro no ranking geral do país

Marília Mendonça no primeiro show depois do nascimento do filho, em São Paulo. Crédito: Randes Filho
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O amor do Brasil por Marília Mendonça foi comprovado nesta quarta-feira (1º) pela retrospectiva feita pela plataforma de streaming musical, Spotify, do ano de 2021. A sertaneja foi a artista feminina mais ouvida no país, e a terceira mais ouvida no ranking geral, com homens e mulheres.

A goiana, que morreu no dia 5 de novembro em um acidente aéreo, tem mais de 12,1 milhões de ouvintes mensais no serviço. Ela ocupa a posição de 386ª artista mais popular entre todos os músicos, nacionais e internacionais, com canções no Spotify.

A dupla Maiara e Maraisa, grandes amigas de Marília, ficaram em segundo lugar na lista de mulheres mais ouvidas na plataforma. As três lançaram, juntas, o projeto "As Patroas", álbum com regravações de grandes sucessos de outros artistas, pouco antes da morte da cantora.

No geral, o sertanejo foi o ritmo mais popular neste ano. Os três gêneros musicais mais consumidos no Brasil foram diferentes classificações desse mesmo ritmo: "sertanejo pop", "sertanejo universitário" e "sertanejo". O funk carioca ficou em quarto lugar, seguido pelo pop.

Fora Os Barões da Pisadinha, grupo de forró e piseiro que foi o mais ouvido do ano entre os brasileiros, todo o restante do top 5 é composto por artistas do sertanejo. Gusttavo Lima fica em segundo, com Marília em terceiro, Jorge e Mateus em quarto, e Henrique e Juliano em quinto.

Entre as músicas mais ouvidas, estão o hit viral "Batom de Cereja", de Israel e Rodolffo, em primeiro lugar; "Facas", de Diego e Victor Hugo, em segundo, e "Ele é Ele, Eu Sou Eu", de Wesley Safadão, em terceiro.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem