Música

'Quero reinventar esses nossos ícones, tanto da música quanto da vida', diz Gaby Amarantos

Paraense lançou o clipe 'Sou Mais Eu' com elenco negro e indígena

Gaby Amarantos
Gaby Amarantos - Reprodução/Instagram/gaby

Beatriz Fialho
São Paulo

Fazer um clipe com uma mensagem direta, bemhumorada e colorida. Essa foi a intenção de Gaby Amarantos, 39, ao lançar "Sou Mais Eu", seu novo hit, na última semana. Mas, para ela, o mote político-social é o que move sua carreira. 

Recentemente, a cantora foi criticada por questionar a postura de Silvio Santos como apresentador. "Sério que vcs acham Silvio Santos ídolo? O cara fez a gente crescer vendo-o ridicularizar negros / mulheres/ gays/ plus e ganhar mídia com isso. Cês tão mal de ícone viu, ñ dá mais pra normalizar isso!” (sic), escreveu ela em seu Twitter. 

O comentário veio poucos dias após o lançamento do novo trabalho, em que Gaby faz uma ode à diversidade brasileira. Com elenco negro e indígena, a estética do clipe foi pensada em conjunto com o diretor, Marcelo Sebá e o figurinista Dudu Bertolini, que deram o tom "Afropop tropical" para o discurso descomplicado de amor próprio e feminismo.

"Eu queria falar disso de uma forma leve, que pudesse chegar cada vez mais nas pessoas da periferia, nas mulheres que podem estar sofrendo com baixa auto-estima, assédio, que são ribeirinhas, moram no interior do Pará, no Nordeste, na caatinga."

Participam do clipe a vencedora do BBB18, Gleici Damasceno, e Jonathan Azevedo, o Sabiá da novela "A Força do Querer". O convite para o ator surgiu quando Gaby viu uma entrevista em que ele contava um de seus sonhos: ser galã de novela. Ele divide o papel de galã com Nabila, um modelo imigrante de Guiné-Bissau. 

As referências, como o "ônibus da farofa", são reais e remontam a infância da cantora. "Era um piquenique organizado por um senhor chamado Nativo, filho de uma mãe de santo. Chegando lá, tinha um monte de mãe de santo com turbante colorido, junto com as gays, com os índios, tudo na periferia do Pará."

No final, Gaby aparece vestida como uma Carmen Miranda paraense. "Quero reinventar esses nossos ícones, tanto da música quanto da vida. Quero usar a minha música para trazer poder e representatividade para a população brasileira."

"Sou Mais Eu", diz ela, foi só o estopim do que está por vir. A intenção é lançar um álbum novo no próximo semestre, com o selo Gaby de diversidade. As turnês, por ora, ainda não estão no planejamento.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem