Diversão

De carro ou de ônibus, cidades próximas a São Paulo têm opções de lazer para bate e volta

Veja opções de turismo para famílias ou amigos a até 120 km

Gaby Almeida faz salto de paraquedas em Boituva
Gaby Almeida faz salto de paraquedas em Boituva - Arquivo pessoal
Fernanda Pereira Neves
São Paulo

Início de agosto significa término de férias escolares, mas não precisa ser também o fim dos passeios, sejam em família ou entre amigos. Cidades próximas a São Paulo têm opções de lazer que podem ser aproveitadas aos finais de semana ou mesmo num bate e volta, geralmente a preços acessíveis.

As alternativas são variadas. Parques, museus, artesanatos e até esportes radicais a, no máximo, 120 km da capital paulista, e que podem ser acessados de carro, ônibus ou trem. "Foi fácil, rápido e uma delícia. Um passeio de uma manhã", afirma a analista Gabriela Almeida, 38, que saltou de paraquedas em Boituva (a 120 km de São Paulo). 

Uma das opções mais próximas da capital, no entanto, é a vila de Paranapiacaba, em Santo André, no ABC paulista. A vila, que pode ser acessada a partir da rodovia Anchieta, surgiu em 1867 durante a construção da primeira ferrovia do estado, ligando Santos a Jundiaí. Hoje turístico, o local é um mergulho na história.

Para quem gosta desse tipo de passeio, as opções na vila são o museu Castelo (R$ 3), construído no século 19 e que hoje abriga exposições, e a Casa Fox (R$ 3), que mostra como era a vida dos ferroviários da época. Já para quem prefere passeios ao ar livre, pode optar pela rota da madeira (gratuita), que tem 34 km e pode ser percorrida a pé ou de bicicleta, além de passeios e trilhas no parque municipal (R$ 25).

A atração mais famosa de Paranapiacaba, no entanto, é a viagem com o Expresso Turístico de São Paulo até a cidade. O percurso é feito pela CPTM em uma locomotiva dos anos 1960 restaurada, que sai da estação da Luz, aos fins de semana, e percorre cerca de uma hora e meia até a cidade. O bilhete deve ser comprado com antecedência na estação Luz, a partir de R$ 50.

Outra cidade com opções de passeio para toda a família é a cidade de Itu (a 101 km de São Paulo), onde tudo é supostamente maior que o normal. O semáforo e o orelhão gigantes são seu cartão postal, mas há até tabuleiro de xadrez com peças imensas na praça dos Exageros, ao estilo do jogado pelo bruxo Harry Potter, no primeiro filme da série. A entrada é gratuita. 

Mas a fama "exagerada" da cidade, que teve início com o comediante Simplício, na praça da Alegria (Tupi), nos anos 1960, não é a única atração do município. Para o mecânico Antonio Carlos Gracio, 56, os locais religiosos, como a igreja da Candelária, na praça Matriz, e a do Carmo, no largo do Carmo, são outras sugestões aos visitantes. 

"É passeio para família, não tem baladas ou coisa assim, mas vale muito a pena. Vou desde criança e gosto dos casarões do centro, do parque Maeda, que é mais urbanizado e das rochas do parque do Varvito. Tem restaurantes tradicionais, como o do Alemão, e até sorvete gigante", afirma o mecânico. 

O parque Maeda inclui atrações como piscina, teleférico, pesca e passeio de trenzinho, com possibilidades de pacotes a partir de R$ 89 (crianças até quatro anos não pagam, e as de cinco a dez pagam R$ 65). Já o parque do Varvito, criado onde já funcionou uma pedreira e que hoje se tornou um monumento geológico, tem entrada gratuita. 

Embu as Artes, a 27 km à oeste de São Paulo, também tem turismo volta à família, com sua famosa feira de artesanato, que acontece no Largo 21 de Abril, aos sábados e feriados, e tem em torno de 500 artesãos credenciados, quase todos da própria cidade, com opções de vestuário, bijuterias, decoração, entre outros. Com uma tradição de 50 anos, o espaço teria sido inspirado na praça da República, em São Paulo, e foi responsável pelo acréscimo de "das Artes" no nome da cidade, que era apenas Embu até 2011. 

Ainda no Largo 21 de Abril, as pessoas têm como opção de visitar o Centro Cultural (gratuito), criado no histórico prédio da prefeitura e que hoje concentra exposições, além do Museu de Artes Sacras dos Jesuítas (R$ 8), a apenas 140 metros. Já a 2 km dali, é possível visitar o parque Rizzo, que tem pista de caminhada, viveiro, parque, brinquedoteca e aula de arte em barro, tudo gratuito. 

PARA OS AVENTUREIROS

Quem prefere um pouco de aventura e mais adrenalina no passeio, como trilhas, rapel e até um pulo de paraquedas, as cidades de Mairiporã, Juquitiba e Boituva, são opções legais, baratas e próximas de São Paulo.  

Mairiporã, que fica cerca de 40 km a norte da capital, é uma ótima pedida para quem quer ficar pertinho de casa, podendo fazer apenas um bate e volta. Os aventureiros mais calmos podem optar por uma subida ao Pico do Olho d'Água, percorrendo cerca de 10 km em uma região de mata até o topo, onde os visitantes desfrutam a vista e fazem piqueniques. 

A subida pode ser de carro ou a pé, sendo necessário atenção em alguns trechos mais íngremes e, principalmente, nas proximidades da trilha da Saracura, que é usada por quem curte passeios de bicicleta, com direito a rampas e até gaps para salto, indicados apenas aos mais experientes. 

Ainda em Mairiporã, uma boa pedida é a Pedreira do Dib (gratuita), que, além da vista incrível, que pode garantir fotos lindas nas redes sociais, é usada para a prática de rapel e até para treino para salvamento, em seu paredões imensos. O local já foi usado em comerciais de TV, como da bolacha Negresco, e cenas de novelas. 

Para quem quer menos aventura, há a Cachoeira da Caceia, que apesar da beleza, não tem muita infraestrutura e não é muito fácil de ser encontrada. A poucos quilômetros do centro da cidade, ela fica após uma estradinha de terra, mas é garantia de passeio com poucos turistas ao redor. 

Boituva, por sua vez, é famosa pelas opções de turismo radical e caminho certo para quem gosta de altura. Entre as opções há o passeio de balão, que custa a partir de R$ 300,  que é muito usado para pedidos de casamento e comemorações de aniversário.

Os mais aventureiros optam pelos saltos de paraquedas, que podem ser feitos até por iniciantes. A analista comercial Gabriela Almeida, 38, nunca tinha praticado, até ganhar de presente do ex-namorado. "Uma região de mata, mas com infraestrutura, onde pudemos comer e passar parte do dia, sem precisar ao menos ir para o centro da cidade", afirma ela, que espera refazer o passeio em breve. 

Mas Boituva tem apelo também para os turistas mais calmos. O Museu do Tropeiro (gratuito) mostra um pouco da história desses antigos viajantes, que levavam mercadorias entre cidades do interior, enquanto os parques Egídio Labronici e Eugênio Walter (gratuitos) podem ser uma opção para caminhadas ao ar livre e ainda ver animais pouco comuns na capital, como araras, macacos e jabutis. 

Já em Juquitiba, as aventuras são próximas à água. A prática de rafting no rio Juquiá (R$ 110) é uma das diversões mais procuradas –são cerca de quatro horas de passeio, sendo duas no rio, rodeado pela mata Atlântica. Também há opções de arvorismo e tirolesa. 

Às margens do rio Juquiá, há ainda o Mirante da Pauleira, onde os visitantes podem observar tanto o rio, quanto a mata local, além dos barcos de rafting que passam pela região. Também voltada aos turistas mais calmos há uma porção de cachoeiras, como a do Monjolo, acessada pela Estrada Velha de Juquitiba, e a do Engano, já na divisa com Miracatu, na Serra do Cafezal. 


COMO CHEGAR

Paranapiacaba (Santo André) - A 24 km de São Paulo, a vila pode ser acessada de carro a partir da rodovia Anchieta ou de transporte público, seguindo de trem pela linha 10-Turquesa da CPTM até a estação Rio Grande da Serra (R$ 4,30) e depois pelo ônibus Paranapiacaba 424 (R$ 4,55). Aos fins de semana, há ainda o Expressão Turístico, a partir da estação Luz (R$ 50).

Itu - A 101 km da capital paulista, Itu pode ser acessada por carro ou por ônibus. No caso da primeira opção, o viajante deve utilizar a rodovia Castello Branco (SP-280), até o km 78, depois acessar a Archimedes Lammoglia (SP-75). Nesse caso, serão dois pedágios, totalizando R$ 13,20. De ônibus, a viagem sai por R$ 35,83, a partir da Barra Funda, pela empresa Vale do Tietê. 

Embu da Artes - A 27 km de São Paulo, o visitante pode chegar à cidade de carro, pela rodovia Régis Bittencourt (BR-116), até a saída 279 (não há praças de pedágio no percurso). Já de ônibus, a cidade pode ser acessada por várias linhas da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), a partir do metrô Capão Redondo (R$ 4,30), Morumbi (R$ 5,30), Campo Limpo (R$ 5,55), Pinheiros (a partir de R$ 5,30). 

Mairiporã - A 37 km da capital paulista, a cidade pode ser acessada pela rodovia Fernão Dias (BR-381), até a saída 64. Há uma praça de pedágio no percurso, no valor de R$ 2,40. De ônibus, a viagem sai por R$ 11,05, a partir da rodoviária do Tietê. 

Boituva - A 120 km de São Paulo, Boituva pode ser acessada de carro ou de ônibus. Na primeira opção, o visitante deve usar a rodovia Castello Branco ( SP-280 ), até a saída 116. Nesse percurso, há três praças de pedário, totalizando R$ 23). Já quem optar pela viagem de ônibus pagará R$ 39,48, saindo da Barra Funda. 

Juquitiba - A 72 km da capital paulista, Juqutiba pode ser acessada pela rodovia Régis Bittencourt (BR-116), até a saída 326. Há uma praça de pedágio no percurso, no valor de R$ 3,20. Para quem preferir ir de ônibus, a passagem sai por R$ 25,85, saindo do Terminal do Tietê. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias