Tony Goes

Mais uma vez, Silvio Santos desrespeitou o público e seu próprio legado

Atitude do apresentador neste domingo (8) pode até ser suspeita de racismo

Participantes do quadro Quem Você Tira; Jennyfer Oliver é a quarta da esq. para dir.
Participantes do quadro Quem Você Tira; Jennyfer Oliver é a quarta da esq. para dir. - Lourival Ribeiro/SBT

SBT quer dizer "Silvio Brincando de Televisão". A piada não é nova, mas não perde a atualidade. Silvio Santos trata sua emissora, a segunda maior do país, como um playground pessoal. Muda ao bel-prazer o horário dos programas, faz contratações por impulso, ignora as regras dos programas que apresenta. E se diverte.

É um caso único no mundo. Não há notícia de outro canal de TV em que o dono, além de ser a maior atração e o maior anunciante, ainda por cima, aja de maneira tão arbitrária. Muitas vezes, Silvio permite que suas idiossincrasias pessoais atropelem o bom senso e até mesmo os interesses comerciais de sua empresa.

Tudo isso seria apenas engraçado se não machucasse ninguém. Só que machuca. O que aconteceu neste domingo (8) no quadro Quem Você Tira?, transmitido dentro do Programa Silvio Santos, foi, no mínimo, um enorme desrespeito às participantes, ao auditório e ao público em geral. No mínimo.

Quatro moças disputavam um prêmio de melhor cantora. Todas tinham que cantar as mesmas músicas. A primeira foi “Dona de Mim”, sucesso de Iza. Quando chegou a vez de Jennyfer, a quarta e última candidata, Silvio a interrompeu. "Essa música é muito chata!" Pode até ser, mas Jennyfer –que era a única negra– tinha o direito de cantá-la, como as outras concorrentes.

Ela conseguiu chegar ao fim da música seguinte, "Eva". Aí chegou a vez do improviso, quando as cantoras têm que encarar uma canção que não ensaiaram. Silvio escolheu “Caneta Azul”, o infame hit que viralizou há pouco mais de um mês.  

Todas entoaram o refrão da música. Na sequência, o auditório votou. E Jennyfer ganhou de lavada: recebeu 84 votos, enquanto nenhuma das outras chegou aos dois dígitos. O que fez Silvio então?

Deu R$ 500 à vencedora. Aí, também deu R$ 500 às outras três, como que anulando a vitória de Jennyfer. E então, deu mais R$ 500 para sua favorita pessoal, Juliani, a quem ainda disse "você é muito bonita”. Ah, sim, Juliani é branca.

“Ah, mas a TV é dele, o dinheiro é dele, Silvio faz o que quiser.” Pois é, faz mesmo. Só que, neste domingo, SS foi um pouco longe demais. Ignorou a decisão de suas "colegas de trabalho", que votaram em massa em Jennyfer. Desrespeitou a verdadeira campeã do concurso, Jennyfer. E mandou uma banana para o resto do mundo, inclusive você e eu.

Mas o mundo mudou, e Silvio não percebeu. O que ele fez no programa exibido neste domingo (gravado há algumas semanas) pode, sim, ser suspeito de racismo. 

“Ah, mas foi só a preferência pessoal dele!”, choramingarão alguns. "Em nenhum momento, Silvio disse que não gostava da Jennyfer por ela ser negra”. Não, não disse –mas o apresentador tem culpa no cartório. É só vasculhar a internet: há dezenas de registros dele manifestando opiniões racistas, machistas, gordofóbicas e preconceituosas em geral.

Muito já se comentou sobre o fato de Silvio Santos ter perdido as estribeiras nos últimos tempos. Parece que, com a idade, ele se sente livre para dizer e fazer qualquer barbaridade, em seu programa e em sua emissora.

Repito: seria divertido, se não fosse triste. Até porque uma das vítimas desse destrambelhamento será o próprio Silvio. Um dos maiores ícones da TV brasileira de todos os tempos (se não o maior), ele não precisava macular o seu legado desse jeito. 

Silvio Santos passará para a história com um tamanho bem menor do que o que ocupa nas nossas memórias afetivas.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem