Tony Goes

Programa da Maisa ainda não está pronto, mas começou muito bem

Talk show do SBT estreou no sábado (16) liderando na audiência

Maisa e Oscar Filho
Maisa e Oscar Filho - Divulgação

A mais longa gestação da TV brasileira finalmente terminou. Nasceu neste sábado (16), às 14h15, o Programa da Maisa, aguardado desde 2005 – desde que sua jovem apresentadora surgiu como caloura de Raul Gil, com apenas três anos de idade. 

Contratada pelo SBT dois anos depois, Maisa Silva se tornou convidada recorrente do Programa Silvio Santos. Com a segurança de uma Hebe Camargo, a menina de cachinhos à Shirley Temple encantou o país com suas respostas na lata, sem o menor medo do “patrão”. E, desde os primórdios, declarou sua intenção de se tornar apresentadora.

O tempo passou, a garotinha cresceu e, durante algum tempo, sua emissora parecia não saber o que fazer com ela. Maisa participou do remake da novela “Carrossel” em 2015, mas, de lá para cá, não era aproveitada em nada mais elaborado do que o “Jogo dos Pontinhos”. Sua ida para a Globo parecia questão de tempo. 

O SBT tem tradição em descobrir talentos, só para perdê-los logo depois: Mariana Ximenes, Dani Calabresa, Daniel Boaventura... Deixar Maisa escapar, uma autêntica prata da casa, seria um pouco demais. 



Alguém acordou – o próprio Silvio, provavelmente – e Maisa Silva finalmente ganhou seu talk show. Habituada a ser sempre a entrevistada engraçadinha, Maisa agora trocou de posição. Conseguiu se sair bem no novo papel, mas ainda pode melhorar.

A espontaneidade de Maisa é seu ponto forte. Ela ainda não consegue dizer um texto decorado sem que ele soe como... um texto decorado. Ainda lhe falta a cancha do improviso quando a conversa não rende.

Mas alguém duvida que ela conseguirá tudo isso em muito pouco tempo? Maisa é o que os americanos chamam de “natural”: nasceu para a TV. Tem mais horas de vídeo do que muito ator veterano. E já demonstrou, inúmeras vezes, ter inteligência e maturidade muito acima da média.

O programa também pode melhorar. A estreia sofreu de um excesso de “roteirice”: muitos segmentos dramatizados, que não extraem o melhor nem de Maisa nem de seu “sidekick”, o comediante Oscar Filho.

Mas, quando eles e seus convidados são deixados à vontade, o ritmo flui de maneira gostosa, como se o espectador estivesse mesmo na sala de visitas de uma excelente anfitriã.

Foi acertadíssima a escolha de Fernanda Sousa para este primeiro programa. Recém-saída da Globo, a atriz também foi uma espécie de menina-prodígio, e são muitos os paralelos de sua carreira com a de Maisa. As comparações entre ambas, regadas a muitas risadas, foram o ponto alto da estreia.

Ainda não saíram os números consolidados no momento em que escrevo esta coluna, mas a prévia do Ibope dá a vitória ao Programa da Maisa com 8,8 pontos na Grande São Paulo, contra 8,4 de mais uma reprise de Sai de Baixo (Globo).

Nas redes sociais, foi uma goleada. Com uma legião de fãs torcendo a seu favor, Maisa subiu aos “trending topics” do Twitter e recebeu uma avalanche de comentários positivos.

A crítica também reagiu bem. Até porque o Programa da Maisa é uma rara novidade no SBT, quase um museu da TV brasileira. Com seu talento mais do que confirmado e um enorme potencial para crescer ainda mais, Maisa Silva é o futuro da emissora começando a se realizar.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias