Celebridades

Maisa diz que pais a alertavam sobre possível fim da fama e fará pausa nos estudos após escola

'Não tenho um dia todo para estudar para uma prova', diz apresentadora

Maisa Silva em evento de divulgação do novo talk show, 'Programa da Maisa'

Maisa Silva em evento de divulgação do novo talk show, 'Programa da Maisa' Francisco Cepeda/AgNews

Beatriz Vilanova
São Paulo

Trabalhando desde os três anos de idade, Maisa Silva, 16, sempre foi questionada sobre o papel de seus pais em sua carreira. Embora a pouca idade a tenha feito crescer em um mundo rodeado por câmeras, ela garante que essa sempre foi a sua vontade.

"Meus pais nunca me colocaram para trabalhar. Eu entrei por livre e espontânea vontade", diz a apresentadora, que se prepara para lançar neste sábado (16) seu primeiro talk show. "Assim como as crianças têm o sonho de ser astronauta, bailarina ou professor, eu via o Raul Gil e queria estar lá”.

Ela diz que, como não sofria qualquer tipo de assédio, desde cedo gostava dos dias de gravações. “Era um dia que eu tirava para brincar com adulto e conhecer meus ídolos: Joelma, do Calipso, Sandy e Junior, entre outros.”

Segundo Maisa, os próprios pais não deixaram que a fama subisse à cabeça e sempre a alertaram de que ela “não era para sempre”.

“Não existe pessoa melhor para cuidar da sua vida do que os seus pais”, defende a também atriz. “Meus pais são realmente a minha base, minha estrutura e meus protetores. Ter os meus pais para falar ‘filha, quer ir para o hospital, quer cancelar tal coisa?’. Eu acho que um empresário nunca faria isso por mim, porque ele estaria visando o lucro. E os meus pais, não”, comenta.

A apresentadora diz que atualmente não tem rotina, e segue em seu último ano de escola, cada vez com menos tempo para os compromissos.

"Eu não tenho um dia todo para estudar para uma prova, como a maioria dos adolescentes tem. Isso é impossível. Eu tenho 20 minutos. E eu tenho que ir bem [na prova], se não, não trabalho”.

Terminada a escola, a apresentadora diz que pretende manter os trabalhos e descansar em 2020. Quem sabe, no ano seguinte, entrar em uma faculdade – provavelmente de cinema ou de comunicação, segundo ela. “Comecei a trabalhar e a estudar no mesmo ano. [...] Nunca soube como é a vida sem ir para a escola e trabalhar.”

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias