Tony Goes

Jamie Oliver feriu com um brigadeiro o combalido orgulho nacional

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Pobre Brasil. Menos de uma semana depois de perder a Copa do Mundo em casa pela segunda vez, o país sofreu mais um duro baque em sua autoestima. O chef britânico Jamie Oliver declarou não ter gostado do brigadeiro!

Também não caiu de amores pelo beijinho, e francamente detestou o quindim. Mas o que mais nos ofendeu foi seu pouco apreço pelo doce de chocolate amado por 11 em cada 10 brasileiros. Às armas, cidadãos!

Jamie Oliver veio ao Brasil para tratar da abertura de um restaurante seu em São Paulo, e aproveitou para dar uma entrevista a Barbara Gancia e o programa "Saia Justa" (GNT). A conversa foi gravada de manhã cedo, e a jornalista fez o badalado cozinheiro experimentar, em rápida sequência, algumas das especialidades mais açucaradas da culinária pátria. Além dos docinhos já citados, Oliver teve que provar o caldo de cana e o açaí.

No final, disse ter gostado apenas desses dois. E afastou o resto dizendo "This is all a load of shit. Fuckin' horrible!", caridosamente traduzido como "um bando de porcaria".


Foi o bastante para deflagrar um incêndio na internet. Gente que, apenas alguns dias antes, havia reagido com humor e ironia à acachapante derrota da seleção por 7 a 1 para a Alemanha, dessa vez perdeu as estribeiras. As redes sociais se encheram de comentários do tipo "quem é esse inglês para dizer o que é bom? A comida do país dele é horrível!" - e daí para baixo.

Bom, "esse inglês" é o chef de cozinha mais famoso do mundo no momento. Seus programas de TV têm enorme repercussão e seus livros são sempre best-sellers. Mas ele também é conhecido pela boca imunda. Fala tanto palavrão que já se tornou folclórico.

Mas dessa vez os palavrões foram direcionados ao nosso adorado brigadeiro, e no pior momento possível. A gritaria foi tamanha que a própria Barbara precisou explicar no Facebook que a entrevista havia sido muito editada e que as palavras de Oliver estavam um pouco fora de contexto. No fundo o cara seria... um doce.

Claro que ele foi pouco diplomático. Poucos dias depois, o confeiteiro americano Buddy Valastro aproveitou a deixa para declarar seu amor incondicional pelo brigadeiro no programa "Hoje em Dia" (Record). Virou um queridinho, enquanto que muita gente questiona o sucesso do futuro restaurante paulistano de Oliver.

O Brasil é realmente um país paradoxal. Oscilamos entre o mais profundo desprezo por nós mesmos —o famoso "complexo de vira-lata" de que falava Nélson Rodrigues— e o ufanismo mais boçal, pois nos achamos tão formidáveis que até Deus quer ser um de nós.

A maneira até comedida como reagimos ao vexame nos estádios me deu a esperança de que estávamos amadurecendo. Dando valor ao que realmente importa. Mas bastou um estrangeiro desabituado a doses cavalares de açúcar não cair de amores pelo nosso doce favorito para regredirmos várias casinhas.

Imaginem se Jamie Oliver tivesse provado a farofa...

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias