Zapping - Cristina Padiglione
Descrição de chapéu imigrantes

Record aposta em documentário sobre haitianos em São Paulo

'O Haiti é no Cambuci' mapeia concentração de imigrantes no bairro

'O Haiti é no Cambuci' está disponível, exclusivamente, no PlayPlus; a duração do especial é de 33 minutos
'O Haiti é no Cambuci' está disponível, exclusivamente, no PlayPlus; a duração do especial é de 33 minutos - Edu Garcia/R7
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

O PlayPlus, serviço de streaming do Grupo Record, lança um documentário sobre a comunidade de haitianos que se formou em São Paulo. "O Haiti é no Cambuci", referência ao verso da famosa canção de Caetano Veloso e Gilberto Gil, convida o público a conhecer a realidade dos imigrantes que vivem no bairro paulistano, onde a língua falada é o creole, as mulheres usam perucas e o prato mais apreciado é o peixe com banana da terra.

Entre 2013 e 2016, cerca de 30 mil haitianos chegaram ao Cambuci. Ali se instalaram, abriram negócios e transformaram essa parte da cidade em um pedaço do país caribenho. A produção original da plataforma busca retratar o cotidiano e as dificuldades vividas pelos haitianos na região.

Segundo a Record, a equipe enfrentou dificuldades para encontrar pessoas dispostas a contar suas histórias diante das câmeras, o que ficou mais delicado quando o presidente do Haiti, Jovenel Moïse, foi assassinado em Porto Príncipe, capital haitiana. Na época, as gravações, que estavam em andamento, precisaram ser estendidas até que a equipe de produção conquistasse a confiança da comunidade.

O documentário vem acompanhado de um material produzido para o R7 Estúdio, com podcast, galeria de fotos do bairro e mapas explicativos. Confira o trailer.

Com 33 minutos de duração, a produção tem ideia original de Gustavo Costa, produção e roteiro de Mariane Salerno e montagem e finalização de Leandro Pasqualin.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem