Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Homenagem da Globo a Tiago Leifert já estava agendada há semanas

Emissora manteve iniciativa, independentemente de treta com Ícaro Silva

três pessoas jogando videogame pelo computador
Tiago Leifert participa do Games4Good, criado pela ONG Recode - Divulgação/Recode
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A final do The Voice Brasil, na noite desta quinta-feira (23), foi vencida por Giuliano Eriston, cearense que corroborou a boa fama de Michel Teló para escolher sempre os melhores de cada edição.

O programa foi marcado por uma singela homenagem a Tiago Leifert, algo que só os muito queridos da casa recebem em momentos de despedida. Leifert gostaria de ter estado presente à final para se despedir de sua trajetória de 15 anos de Globo, encerrada por vontade própria, mas ainda não consumada pela emissora.

Uma questão pessoal, no entanto, o impediu de dar seguimento ao programa após a primeira fase, e mesmo de voltar para a final. A temporada foi comandada, após a sua saída, por André Marques.

Assim, no tributo exibido no The Voice, Marques exibiu uma série de imagens de "Titi", como o apelidou Carlinhos Brown, com cenas não só do The Voice, mas também do Globo Esporte e do Big Brother.

Fora das telas, a última semana de Leifert como contratado da Globo foi marcada por um bate-boca quentíssimo com Ícaro Silva, que resolveu chamar de "entretenimento medíocre" o BBB. Leifert quis defender sua trajetória, com razão, mas acabou esbarrando em uma fase que foi motivo para muitos cancelamentos dentro e fora da Globo, ao dizer a Ícaro: "nós pagamos o seu salário".

Silva reagiu: "é a minha entrega que paga o meu salário". Foi nesse contexto que Leifert deixou a emissora. Além de não conseguir se despedir do público como gostaria, protagonizou a grande polêmica deste pré-Natal nas redes sociais.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem