Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

'Essas piadas são uma exposição do ridículo que é o racismo', diz Helio de La Penã

Humorista reconhece piadas datadas ao participar da nossa seção, 'Três Perguntas Para...'

Conversa Piada com Helio de la Peña - Nando Chagas/Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Campinas

No ar com Conversa Piada, programa humorístico da TV Cultura que vai ao ar nas noites de sábado, Helio de La Penã, 62 anos, voltou a trabalhar com Beto Silva, Claudio Manoel e Hubert Aranha após quase 11 anos desde o fim do Casseta e Planeta (Globo).

Na nova atração, os quatro fazem uma roda de conversa sobre os assuntos em voga no momento, com humor e uma pitada de ironia. Os apresentadores riem de fatos e figuras que se destacaram ao longo dos últimos dias.

Ator, redator, escritor, roteirista e apresentador, Helio tem realizado apresentações de stand up no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em novembro, o artista reuniu humoristas negros na capital paulista para um show de comédia preta, realizado em comemoração ao Dia da Consciência Negra. O evento recebeu milhares de pessoas no Theatro Municipal de SP, muitas delas, ocupando o espaço pela primeira vez.

Nascido e criado na Vila da Penha, no Rio, o ator é patrono da Biblioteca Comunitária Helio de La Peña, situada na Associação Filantrópica A Arte Salva Vidas, no Complexo do Caju.

Helio foi o terceiro entrevistado na nova seção da coluna, "Três Perguntas Para...", que teve sua estreia com Rafael Cortez, e já conversou com Claudia Raia. Confira:

Em entrevista ao Ecoa Uol, você relembrou a Semana de Arte Moderna de 1922 e disse que Mário de Andrade falou da ausência do negro na arte brasileira. Qual o impacto social de eventos de humor como o que você organizou no Dia da Consciência Negra, no Theatro Municipal de São Paulo?

Eu acho que o impacto é grande, porque foi um evento absolutamente inédito – um show de humor, de comédia preta, em um ambiente tão elitizado como é o Theatro Municipal, com a participação de artistas que nunca tinham pisado naquele palco e uma plateia onde poucos ali já tinham entrado naquele salão tão nobre. Eu acho bastante significativo que a gente, 99 anos depois, tenha realizado esse evento. É um passo importante, mas isso também denuncia o tempo que demorou para que um evento desse tipo acontecesse no Theatro Municipal de São Paulo.


Por que nos demos conta de que algumas piadas de um passado muito recente perderam a graça?

Olha, isso acontece sempre. A piada, o humor, ele é algo sempre contemporâneo, ele é sempre atualizado, sabe? Hoje existe muito essa constatação, dando a impressão de que é a primeira vez que as piadas se desatualizam, quando na verdade elas vão se desatualizando sempre, permanentemente. As piadas que são feitas hoje não são as mesmas de 20 anos atrás, dos anos 1990, dos anos 2000, até. Como as piadas dos anos 2000 não são as mesmas dos anos 1980, as piadas dos anos 1980 não são as mesmas dos anos 1960… Enfim, o humor está sempre em transformação, sempre em movimento, assim como a sociedade.

Suas piadas e apresentações, em muitos momentos, têm o racismo como tema de partida para o riso. Essas piadas podem ser vistas como resistência? Por quê?

Sim, eu uso o racismo como tema de muitas das minhas piadas, até porque o stand up pressupõe um humor autobiográfico... Você fala muito das questões da sua vida e tira graça até das desgraças. Eu acho que essas piadas podem ser vistas como resistência, sim, tudo bem. Mas eu acho que elas são vistas melhor como uma exposição do ridículo que é a situação do racismo e do absurdo que isso representa. Eu acho que é mais por aí: o absurdo e o ridículo que ficam expostos quando a gente faz a piada e fica evidente que não se tem mais lugar para isso. Na verdade, nunca deveria ter tido.

Onde acompanhar

Aos sábados, no programa Conversa Piada, que vai ao ar às 22h na TV Cultura, ou no YouTube da Cultura.

Nas redes sociais: @lapena, onde divulga suas atividades e novos projetos, e @biblitecalapena, perfil da Biblioteca Comunitária Helio de La Peña, localizada no Complexo do Caju, no Rio de Janeiro. ​

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem