Zapping - Cristina Padiglione

Estreia de Luciano Huck desmente elogios de Marcos Mion à Globo

Falhas primárias marcaram exibição do Domingão sob nova gestão

Luciano Huck no Domingão
Luciano Huck na estreia do Domingão - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ao estrear na Globo no sábado (4), à frente do Caldeirão, Marcos Mion se deslumbrou com o fato de que tudo funciona na emissora. Ao anunciar as repostas do público em um painel, o ex-apresentador da Record viu as alternativas aparecerem imediatamente. Também ex-funcionário da Record, Paulo Vieira, presente no palco, endossou que tudo na Globo funciona.

Mas a estreia do já veterano Luciano Huck no comando do Domingão , neste domingo (5), desmentiu o seu substituto dos sábados.

Duas falhas técnicas atropelaram Huck nessa inauguração. A primeira foi quando alguém responsável pela operação da exibição dos blocos gravados do programa trocou a ordem dos trechos registrados para a estreia do "Show dos Famosos": o segundo bloco entrou antes do primeiro, antes que Huck aparecesse apresentando a competição da vez e seus novos jurados.

Percebida a falha, os operadores imediatamente colocaram no ar o bloco correto, atropelando uma fala de Huck sobre Xuxa.

O segundo erro veio ao final do programa, bem no momento em que Huck estava se despedindo do público, sendo de novo atropelado por outro videoteipe gravado, dessa vez de um comercial protagonizado por ele mesmo.

Sim, Mion e Vieira têm razão: na Globo, tudo funciona melhor que na concorrência, e até por isso, os erros são tão gritantes. A falta de sorte é que isso ocorra bem em dia de uma tão esperada estreia.

A tensão sobre essa ocasião que anuncia um novo apresentador dominical após 32 anos de reinado de Fausto Silva começou já pela suspensão do jogo entre Brasil x Argentina pelas eliminatórias da Copa, partida que não aconteceu.

A planejada transferência de bola de Galvão Bueno para Huck naufragou. Tudo o que é muito programado se torna empecilho para a capacidade de resolver os imprevistos, e a suspensão da maior rivalidade do futebol foi uma pegadinha gigantesca.

Em vez de optar por mais uma hora de enrolação sobre o incidente, a emissora apostou em um filme, "Circo de Fogo", que tinha mais de uma hora de duração. Por quê? Ninguém sabe responder.

Espectadores do Twitter, antes preparados para serem técnicos de futebol, rapidamente se transformaram em diretores de programação de TV, e condenaram a solução da Globo. E logo Faustão passou a ocupar o topo dos assuntos mais comentados do Twitter.

"Quem sabe faz ao vivo", frase clássica do ex-titular do "Domingão", foi lançada em comentários que atribuíam a Huck uma suposta incapacidade para comandar o barco antecipadamente. Outros criticaram a incompetência da Globo em manter o assunto Brasil x Argentina no ar, mesmo sem jogo, por meio de entrevistas com jogadores e análises de comentaristas, ancorados por Galvão.

A verdade é que as duas soluções teriam funcionado melhor para preservar o aquecimento da estreia de Huck.

O programa foi aberto por uma reportagem sobre um telespectador dos rincões do Brasil cujo maior sonho era cantar em um programa de TV. A imagem de Huck no meio de uma estrada de terra nos remeteu à ideia de que o Fantástico teria começado mais cedo e Huck estaria dividindo seu trabalho com Marcelo Canellas, conhecido repórter em busca de grandes histórias humanas.

A sequência, um risco para um programa que há 32 anos era aberto com bailarinas sorrindo (mesmo nesses tempos de máscaras), era um breve spoiler para o encerramento do novo Domingão. Entende-se que abrir a edição inaugural de Huck com o Show dos Famosos, quadro herdado de Fausto Silva, poderia soar como uma mera troca de apresentador.

Entende-se que Huck precisava marcar território e colocar sua assinatura na marca Domingão. Mas é questionável se de fato era tão relevante sublinhar isso logo na estreia, em detrimento do hábito do telespectador.

Segundo dados do site TV Pop, que tem acesso aos índices da prévia instantânea da Kantar Ibope, Huck alcançou 18 pontos de média nessa estreia na Grande São Paulo. O resultado está acima da média do Domingão/Dança dos Famosos deste ano, mas abaixo do recorde alcançado pelo programa (21,4 pontos), ainda sob o comando de Faustão, em maio, e da performance de Tiago Leifert como interino (20 pontos), na final da Super Dança.

Há que se considerar que estreia sempre chama mais público, em razão do fator novidade. Já Mion, em seu primeiro dia de Caldeirão, chegou a 16 pontos em São Paulo, um recorde para o horário neste ano.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem