Colo de Mãe

Sofro ao ver minha filha crescer e ganhar o mundo: 'Crescer dói, mas é bonito também'

Eu tenho a sensação de que foi ontem que vivi tudo isso

Fotolia

Ainda ontem, eu andava pela redação com uma barriga na qual cabiam gêmeas. Carregava uma bebê de 4,5 kg e 51 cm. “A única coisa que falta nessa redação é uma mãe parir”, dizia todo dia um amigo querido.

No fechamento, o momento mais caótico do dia, minha Laura dormia. E ressonava na barriga. Ainda posso ouvir meu chefe me chamando: “Mãe da Laura!”. E minha amiga ao lado lembrando que Laurinha era nossa bebê mancheteira.

Ainda ontem eu entrava em uma salinha para tirar leite sob o olhar de compreensão da minha chefe, que é um dos amores da vida de Laura. E da minha.

Eu tenho a sensação de que foi ontem que vivi tudo isso. E, hoje, enquanto muitos estiverem lendo esta coluna, eu serei a mãe de uma garotinha de seis anos que está se formando na pré-escola. Minha Laura é uma menininha que adora falar. E conta histórias divertidas.

Minha Laura é uma garota que ama e acolhe a família e os amigos. Minha Laura está ganhando o mundo. E eu sofrendo um pouco com isso. Porque crescer dói, mas é bonito também.

Colo de Mãe

Cristiane Gercina, 39, é mãe de Luiza, 11, e Laura, 6. É apaixonada pelas filhas e por literatura. Graduada e pós-graduada pela Unesp, é editora-assistente de Grana do jornal Agora, empresa do Grupo Folha. Quer ver o desenho do seu filho publicado na coluna? Envie-o para o email colodemae@grupofolha.com.br com nome completo e idade da criança, nome e celular do responsável.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem