Biblioteca da Vivi

'O Misterioso Caso de Styles', de Agatha Christie, completa cem anos da 1ª publicação

Obra-prima do suspense foi o livro de estreia da escritora

Desde que teve início a quarentena do novo coronavírus, esta coluna não falou de outra coisa: abordou clássicos, autores, lançamentos e tendências relacionadas ao isolamento social. Mas a trajetória da literatura é muito maior do que esta crise sanitária. Caberá a ela, inclusive, fazer do que estamos vivendo história para as próximas gerações.

Uma das maiores referências na produção de suspense e policial no século passado, o clássico “O Misterioso Caso de Styles” completa em 2020 cem anos de sua primeira publicação. É ainda o livro de estreia da dama do mistério, Agatha Christie (1890-1976). Também chamado em Portugal de “A Primeira Investigação de Poirot”, uma referência ao detetive belga que é o maior personagem da autora, a obra teve uma versão em português apenas em 1950.

Considerado já pela crítica da época um enredo bem amarrado e inteligente, o texto de Agatha está ambientado em outro momento difícil da humanidade, que foi o resultado da Primeira Guerra Mundial, a chamada Grande Guerra (1914-1918). Nesse contexto, Poirot, tão arrogante quanto carismático herói de notáveis estatura baixa e bigodes longos, é um refugiado belga que se estabelece na Inglaterra.

Narrado em primeira pessoa pelo inspetor Arthur Hastings, o livro mantém o leitor sempre como testemunha da mente afiada de Poirot, capaz das maiores deduções partindo de um olhar meticulosamente investigador. Mas deixa quem lê refém das impressões do narrador sobre o caso. Sai daí um dos principais elementos do suspense: ele inclusive destila seu próprio veneno contra Poirot.

A trama é ambientada em uma grande e isolada casa de campo no interior da Inglaterra, onde a proprietária é assassinada com veneno de rato. Para apimentar o episódio, descobre-se que ela costumava modificar sempre seu testamento, o que fizera pouco antes da morte. Uma vez assassinada, a presença da ricaça, rodeada por tubarões, torna-se ainda mais importante e viva no enredo.

“O Misterioro Caso de Styles” marca também a perseverança de Agatha Christie, que teve o livro recusado por diversos editores em um tempo em que mulheres não assinavam seus trabalhos.
O site Estante Virtual, que comercializa livros usados, possui mais de cem exemplares a bons preços, como R$ 10.


MAIS VENDIDOS

FICÇÃO
1 “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea (Faro)
2 “Box Franz Fafka 1883-1924”, de Franz Fafka (Novo Século)
3 “Box HP Lovecraft”, de HP Lovecraft (Pandorga)
4 “Box Jane Austen”, de Jane Austen (Martin Claret)
5 “Eleanor & Park”, de Rainbow Rowell (Novo Século)

NÃO FICÇÃO
1 “Mulheres, Mitos e Deusas - O Feminino Através dos Tempos”, de William Lagos (Aleph)
2 “A Arte da Sabedoria”, de Baltasar Gracián (Faro)
3 “Mindset”, de Carol Dweck (Objetiva)
4 “Escravidão - Volume 1”, de Laurentino Gomes (Globo)
5 “Box - A História da Primeira Guerra Mundial”, de David Stevenson (Novo Século)

AUTOAJUDA
1 “Mais Esperto que o Diabo”, de Napoleon Hill (CDG)
2 “Ansiedade”, de Augusto Cury (Saraiva)
3 “Quem Pensa Enriquece - O Legado”, de Napoleon Hill (CDG)
4 “A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se”, de Mark Manson (Record)
5 “O Milagre da Manhã”, de Hal Elrod (Vozes)

Fonte: Livrarias Saraiva (de 29.jun. a 7.jul.2020)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 35, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem