Biblioteca da Vivi

Game com Mário de Andrade permite passear por SP em plena pandemia

Centro antigo é protagonista de game educativo sobre arte, história e literatura

Versão para videogame do escritor Mário de Andrade
Versão para videogame do escritor Mário de Andrade - Reprodução

Esqueça por um instante a pandemia do novo coronavírus. Imagine agora o escritor Mário de Andrade (1893-1945) perambulando pelo centro da capital, no começo do século passado, atrás das frases perdidas do livro “Paulicéia Desvairada”.

Na história, que ultrapassa os limites do surreal, o poeta pretende mostrar sua obra, no dia seguinte, aos amigos e ao público na Semana Moderna de 1922.

Contudo, o livro é roubado por um homem que viajou no tempo e acaba, após uma confusão, tendo as suas partes espalhadas pelo centro histórico.

Esse é o enredo do game que o redator e designer Fifo Lazarini, 37 anos, lança para celular até o fim do ano. A ideia principal é que a novidade ajude como complemento ao conteúdo escolar, mas que possa interessar também aos entusiastas da literatura em geral.

O cenário reconstrói a cidade em três dimensões e mostra monumentos históricos como o Theatro Municipal, a praça Ramos, o vale do Anhangabaú, a rua Direita, a igreja da Sé (ainda em construção) e o páteo do Colégio.

Bondinhos e carros da época também ganham uma nova versão no game. Seguindo uma certa estratégia, o jogador deve ser muito preciso para obter todas as frases perdidas de “Paulicéia Desvairada” em um curto espaço de tempo.

O produto custará R$ 5 reais e já tem etapas desenvolvidas na internet. O Instagram @osandradesgame possui o link para a campanha de financiamento coletivo promovida por Lazarini.
“A intenção do game não é apenas estar inserido no cenário da pandemia, mas, sim, ultrapassá-lo”, afirma o criador. “Com muitas crianças, adolescentes e pré-vestibulandos aprendendo dentro de casa e utilizando meios digitais para aprender a distância, também será possível aprender via videogame. A intenção é que ele não substitua as aulas, mas que seja uma suplementação educacional barata e acessível para todos”, completa Lazarini.


O projeto completo do game inclui ainda mais dois jogos, com outros dois importantes escritores da literatura brasileira: Oswald de Andrade (1890-1954) e Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). O segundo tem início quando acaba o primeiro e mostra Oswald, por sua vez, atrás das frases de seu livro “Os Condenados”. Já o jogo com Drummond será ambientado na cidade natal do mineiro, Itabira.
É um boa oportunidade para reler alguns dos maiores clássicos da literatura nacional.

Ruy Castro recomenda o seu recente e melhor livro

É só começar a reparar nos livros que aparecem atrás das vídeochamadas com jornalistas, artistas, intelectuais e famosos: quase sempre há um que foi escrito pelo escritor Ruy Castro entre eles. Maior biógrafo da literatura nacional, o autor nem repara.

“Exceto esporte, vejo pouco televisão. Lembro-me de que, da Guerra do Golfo, em 1991, ao ataque às torres gêmeas, em 2001, fiquei sem assistir até ao noticiário, acredita? Falta de tempo!”, conta ele, em papo por email com a coluna. De todos os seus livros, ele recomenda ao leitor “Metrópole à Beira-Mar - O Rio Moderno dos anos 20” (R$, 79,90, 504 págs., Cia. das Letras).

“É o meu melhor livro. Pelo menos, o que me deu mais trabalho”, conta. “Meu interesse agora são os de reconstituição histórica, como ‘Metrópole à Beira-Mar’”, completa.

MAIS VENDIDOS

FICÇÃO
1 “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea (Faro)
2 “Box HP Lovecraft”, de HP Lovecraft (Pandorga)
3 “Box Franz Fafka 1883-1924”, de Franz Fafka (Novo Século)
4 “Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei”, de Paulo Coelho (GMT)
5 “Um Cavalheiro a Bordo”, de Julia Quinn (Arqueiro)

NÃO FICÇÃO
1 “O Essencial da Mitologia” (Aeroplano)
2 “A Arte da Sabedoria”, de Baltasar Gracián (Faro)
3 “Mindset”, de Carol Dweck (Objetiva)
4 “Sapiens - Uma Breve História da Humanidade”, de Yuval Noah Harari (Publibook)
5 “Box - A História da Primeira Guerra Mundial”, de David Stevenson (Novo Século)

AUTOAJUDA
1 “Mais Esperto que o Diabo”, de Napoleon Hill (CDG)
2 “Ansiedade”, de Augusto Cury (Saraiva)
3 “A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se”, de Mark Manson (Record)
4 “O Milagre da Manhã”, de Hal Elrod (Vozes)
5 “Quem Pensa Enriquece - O Legado”, de Napoleon Hill (CDG)

Livrarias Saraiva (de 13 a 17.jul.2020)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 35, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem