Biblioteca da Vivi

Conselho de Maria Adelaide que ainda guardo comigo: 'ninguém escreve bem se não pensa'

Escritora foi eleita na última semana membro da Academia Paulista de Letras

A dramaturga Maria Adelaide Amaral antes da sessão do filme "Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou"
A dramaturga Maria Adelaide Amaral antes da sessão do filme "Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou" - Greg Salibian/Folhapress

Eleita na última semana membro da Academia Paulista de Letras, a escritora Maria Adelaide Amaral, 77, é uma figura interessante, que construiu sua carreira ao transitar entre o popular e o erudito. Do grande público, é conhecida principalmente por ser autora de teledramaturgia. Entre suas obras mais conhecidas, estão as minisséries “Os Maias” e “A Casa das Sete Mulheres” (ambas da Globo).

Quando eu era repórter de televisão do jornal Agora, do Grupo Folha, no auge de meus 20 e poucos anos, encontrei-me com Maria Adelaide em um café da manhã aqui em São Paulo. Na ocasião, ela lançava a minissérie “Queridos Amigos”. Era 2008 e se tratava de uma adaptação para a TV do livro “Aos Meus Amigos”, baseado nas memórias de Maria Adelaide sobre o período do regime militar.

Também formada em jornalismo pela Cásper Líbero, a escritora achou graça de nosso passado em comum e logo começou a contar como havia sido sua trajetória até ali. Disse que muitos de sua geração haviam cursado a faculdade de jornalismo com ela, quando a fundação era pública, e contou dos primeiros passos.

Trabalhou na Editora Abril e logo passou a escrever peças de teatro. Certamente ela não se recorda, mas me deu um conselho que ainda guardo comigo: ninguém escreve bem se não lê e ninguém escreve bem se não pensa.

Em 1978, Maria Adelaide assinou a montagem “Bodas de Papel”, que lhe rendeu o prêmio Molière. Já nome reconhecido no teatro, ela publicou em 1986 o romance “Luísa”, que retrata a juventude nas décadas de 1960 e 1970 e recebeu o prêmio Jabuti de melhor romance em 1987.

A televisão veio em 1979, quando colaborou com Lauro César Muniz para a novela “O Gigante”. A primeira de sua autoria foi a famosa “Meu Bem, Meu Mal”, de 1990, ao lado de Cassiano Gabus Mendes (1929-1993). Das produções mais recentes, vale a pena citar as históricas “Dalva e Herivelto” (2010) e “Dercy de Verdade” (2012). 

​PARA CONHECER O MELHOR DA ESCRITORA

Entre meus livros favoritos de Maria Adelaide Amaral estão justamente “Aos Meus Amigos” (R$ 44,90, 336 págs., Globo), talvez sua primeira incursão no romance, inspirado no amigo da escritora ao qual o título é dedicado, e “O Bruxo” (R$ 44,90, 200 págs., Globo). Este último foi publicado originalmente em 2000 e trata das experiências da personagem Ana, professora de literatura e poeta que, aos 49 anos, é obrigada a rever sua relação com as pessoas e com a vida.


OS MAIS VENDIDOS

FICÇÃO
1    “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea (Faro)
2    “Amor sob Encomenda”, de Carina Rissi (Record)
3    “Eleanor & Park”, de Rainbow Rowell (Novo Século)
4    “A Princesa Salva a si Mesma Neste Livro”, de Amanda Lovelace (Casa da Palavra)
5    “A Bruxa Não Vai para a Fogueira Neste Livro”, de Amanda Lovelace (Casa da Palavra)

NÃO FICÇÃO
1    “A Arte da Sabedoria”, de Baltasar Gracián (Faro)
2    “Mulheres que Correm com os Lobos”, de Clarissa Pinkola Estes (Rocco)
3    “Sapiens - Uma Breve História da Humanidade”, Yuvah Noah Harari (Publibook)
4    “Escravidão Vol. 1”, de Laurentino Gomes (Globo)
5    “Mindset”, de Carol Dweck (Objetiva)

AUTOAJUDA
1    “A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se”, de Mark Manson (Intrínseca)
2    “Ansiedade”, de Augusto Cury (Saraiva)
3    “Mais Esperto que o Diabo”, de Napoleon Hill (CDG)
4    “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”, de Dale Carnegie (Companhia Editora Nacional)
5    “O Milagre da Manhã”, de Hal Elrod (Record)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 34, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas