Aventura na cozinha

Aprenda a preparar cuscuz marroquino vegetariano para ser servido quente ou frio

Versão de semolina é fácil de fazer e substitui carboidratos como arroz, batata e macarrão

Cuscuz marroquino Juliana Ventura/Folhapress

Olá, cozinheiros! Bem-vindos a mais uma aventura na cozinha! Esqueça o cuscuz nordestino, feito no vapor, com farinha de milho e saboreado com manteiga notadamente no café da manhã.

Esqueça também a festiva versão paulista em forma de pudim, bem temperada, com mistura de farinhas de trigo e mandioca, molho de tomate e uma série de outros ingredientes, como sardinha, camarão, ervilhas e palmito. Hoje vamos falar do cuscuz marroquino, que muitos acreditam originou as versões que comemos hoje aqui no Brasil.

De acordo com Harold McGee em “Comida & Cozinha - Ciência e Cultura da Culinária” (ed. WMF Martins Fontes), trata-se de uma massa simples que parece ter sido inventada no norte da Argélia e do Marrocos entre os séculos 11 e 13, borrifando-se água salgada sobre farinha de trigo duro e mexendo essa farinha com os dedos. Depois, a massa úmida era peneirada obtendo-se grânulos uniformes. 

Hoje, não é necessário tanto trabalho. Encontra-se cuscuz de semolina de boa qualidade nas prateleiras de qualquer bom supermercado. Seu preparo é fácil, bastando hidratá-lo com água quente por alguns minutos e temperar ao gosto do freguês.

 

Por se tratar de trigo, é um ótimo substituto para os carboidratos que costumamos consumir normalmente nas refeições, como arroz, macarrão e tubérculos em geral. O cuscuz marroquino tem sabor e texturas muito suaves e, como uma tela em branco, aceita bem uma série de sabores e pode ser servido ao lado de carnes brancas e vermelhas com ou sem molho.

A sugestão que dou aqui é vegetariana e funciona como salada fria ou acompanhamento morno. Mas é possível criar uma infinidade de receitas partindo dos ingredientes que mais agradam o comensal.

Vamos para a cozinha? Até a próxima!


CUSCUZ MARROQUINO COM ABOBRINHA, TOMATE E CEBOLA CARAMELIZADA

Dificuldade: Fácil   
Rendimento: 8 porções

Ingredientes:
1 e ½ xícara (chá) de cuscuz marroquino
300 g de tomate-cereja ou sweetgrape
2 abobrinhas médias
1 cebola grande
¾ de xícara de azeite de oliva (aproximadamente)
¼ de xícara (chá) de salsinha picada
¼ de xícara (chá) de hortelã picado
Sal e pimenta-do-reino a gosto

MODO DE FAZER

  1. Ferva uma xícara e meia de chá de água. Coloque sobre o cuscuz marroquino em uma panela e tampe por cerca de cinco minutos. Depois disso, abra e mexa para soltar os grãos. Reserve.

  2. Corte a cebola e fatias finas.

  3. Aqueça uma frigideira com cerca de duas colheres de sopa de azeite e frite a cebola em fogo baixo, até que fique bem morena, mexendo sempre, por cerca de 20 minutos. Reserve.

  4. Corte as abobrinhas em cubos e salteie em uma frigideira com um pouco de azeite até que dourem. Não coloque todos de uma vez.

  5. Corte os tomates ao meio e coloque na frigideira com um fio de azeite com a parte da semente voltada para baixo. Deixe até que esteja bem dourado. Não coloque todos de uma vez e não mexa para que não desmanchem.

  6. Em uma tigela grande, coloque o cuscuz cozido, os legumes preparados, a salsinha e o hortelã picados. Mexa delicadamente até ficar homogêneo.

  7. Regue com cerca de três colheres de sopa de azeite, ajuste o sal e a pimenta.

  8. Sirva morno ou frio.

 

(A)ventura na cozinha

Juliana Ventura, 35, é jornalista formada pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), pós-graduada em gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi e professora de culinária para crianças.
email: aventuranacozinha@grupofolha.com.br
Instagram: @venturanacozinha

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem