Alexandre Orrico

BBB 21: Cinco momentos do reality show que foram melhores que muito livro

Papos importantes na casa contrariam quem acha que o programa é só besteira

Gilberto, Sarah Andrade e Juliette (BBB 21) - Instagram/sarah_andrade
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Enquanto críticos do BBB 21 (Globo) tiram livros empoeirados de Guy Debord da estante para postar no Instagram, a audiência do reality show, vez ou outra, entra em contato com discussões importantes enquanto se aliena.

De aula de economia à explicação sobre racismo, confira abaixo cinco destes momentos.

A HOMENAGEM À DONA FÁTIMA, MÃE DE JULIETTE

Nesta segunda-feira (8), no Dia da Mulher, emocionou demais esta homenagem feita no programa à trajetória de Fátima, mãe de Juliette. "Essa mulher trabalha desde os 8 anos. Já foi até auxiliar de pedreiro, teve 3 filhos e ainda criou 4 enteados. Batalhadora, juntou dinheiro cortando cabelo por 20 anos até comprar a primeira casa. E você a ensina a ler e a escrever."

GILBERTO NOGUEIRA E A CURVA DE PHILLIPS

No fim de fevereiro, Gilberto deu uma aula de economia para Juliette ao explicar a curva de Phillips. Segundo esta teoria, desenvolvida pelo neozelandês William Phillips, uma menor taxa de desemprego leva a um aumento da inflação (e vice-versa). O pernambucano não só traduziu o conceito macroeconômico em termos simples, como explicou tudo dançando "tchaki tchá". Melhor do que qualquer livro.

GIL E THAÍS SOBRE O QUE É TERAPIA

Se você, assim como Sarah, tem dúvidas sobre para que serve a terapia e o que falar para uma psicóloga, Gil explica: "Eu conto para ela o que aconteceu. Ela não dá a opinião dela. Ela pega suas ideias e organiza na sua cabeça". Thaís completa a explicação: "Ela vê tudo né, ela não pode opinar. Ela instiga a pensar".

LUCAS PENTEADO DÁ AULA SOBRE RACISMO

Nesta conversa entre os já eliminados Lucas Penteado, Bil Araújo (Arcrebiano) e Nego Di, uma aula sobre racismo. "É mais do que fazer barulho e reivindicar o que é nosso. É muito mais do que isso. (...) É querer estar vivo. É lutar pela vida. Quando eu luto contra o racismo, eu luto contra o racismo estrutural, eu luto pela vida e também por oportunidade.

LUMENA E O DEBATE SOBRE TRANSFOBIA

Inegável que Lumena errou bastante no reality, mas é fato que também levou debates importantes para o programa. Um deles aconteceu logo na primeira semana, quando Fiuk, Projota, Rodolffo e Gilberto desfilaram maquiados pela casa.

Lumena disse que a "brincadeira" poderia representar violência para pessoas trans. "Pessoas se maquiam para serem reconhecidas, é algo muito sério, não é apenas uma brincadeira, é identitário", disse a psicóloga, levantando a pauta pela primeira vez para algumas pessoas dentro e fora da casa.

Alexandre Orrico

Foi repórter e editor da seção de tecnologia da Folha entre 2009 e 2015. Colaborador da Folha, hoje trabalha para a ICFJ (International Center for Journalists) e edita o Núcleo Jornalismo.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem