Alexandre Orrico

BBB 21: João e Gil carregam o programa nas costas

Um é a mente e o outro o coração do reality show da Globo

Gilberto e João Luiz do BBB 21 - Fabio Rocha/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Quando fizeram uma intensa batalha de dança ao som de "Toxic", no início de fevereiro, Gil e João já davam um spoiler do potencial gigantesco de entretenimento que a dupla tem no BBB 21 (Globo). Quase um mês depois, é seguro afirmar que estes dois homens carregam o programa nas costas.

Longe de serem rivais, o professor e o economista ocupam papéis complementares, o que é muito importante para o roteiro do reality. Um é a mente e o outro o coração.

Com frequência a audiência coloca no mesmo saco os participantes João, Camilla de Lucas, Viih Tube, Thaís e Pocah (esta última integrante flutuante do Gabinete do Ódio). Mas João destoa bastante desta floresta.

O professor foi, por exemplo, um dos primeiros a votar em Projota e enxergar o jogo manipulador do rapper. João é líder da semana, enquanto Projota ganhou o Castigo do Monstro.

Ele traça calculadamente estratégias para frustrar os planos do Gabinete do Ódio e tem uma política de bom relacionamento com praticamente todos da casa, inclusive mais recentemente com Lumena, isolada após a eliminação de seus aliados Karol Conká e Nego Di.

Vale lembrar que, no início do programa, foi um dos mais lúcidos sobre o beijo entre Gil e Lucas Penteado. Não entrou na onda de reações bifóbicas e se posicionou: disse que não cabia a ninguém julgar a sexualidade do Lucas. Planta faz isso?

Enquanto isso, Gilberto se encarrega de gerar VT e brigar com o restante do gabinete, como quando chamou Pocah de basculho ou não aceitou calado as mentiras de Projota Jr., como Arthur gosta de ser chamado.

Os dois podem não ser os maiores aliados do jogo, mas vêm conversando cada vez mais. Quem sabe já já eles percebem que se já são fortes separados, imagina juntos.

Alexandre Orrico

Foi repórter e editor da seção de tecnologia da Folha entre 2009 e 2015. Colaborador da Folha, hoje trabalha para a ICFJ (International Center for Journalists) e edita o Núcleo Jornalismo.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem