Cinema e Séries

'Ilha dos Cachorros' é alegoria bem-humorada de problemas sociopolíticos

Longa em stop motion de Wes Anderson estreia nesta quinta (19)

Cena do filme 'Ilha dos Cachorros', de Wes Anderson
Cena do filme 'Ilha dos Cachorros', de Wes Anderson - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Beatriz Fialho
São Paulo

Diferentemente do que pode parecer, “Ilha dos Cachorros” não é uma animação infantil. Dirigido por Wes Anderson e premiado no Festival de Cinema de Berlim, o filme, que estreia nesta quinta (19) nos cinemas, é uma metáfora de questões sociopolíticas que atormentam o dia a dia do mundo adulto.

Na trama, todos os cães da cidade de Megasaki são infectados por um vírus e banidos pelo autoritário prefeito Kobayashi. Os animais são enviados para viver em uma ilha, que funcionava como um lixão da cidade.

Atari Kobayashi, um garoto que vive sob a tutela do prefeito, vai atrás de seu cão de guarda, Spots. Ele rouba um avião, foge para a ilha dos cachorros e começa sua aventura acompanhado de seus aliados caninos, dentre os quais está o rabugento vira-lata Chefe.

Enquanto isso, na cidade, um grupo de estudantes investiga a decisão do prefeito. Liderados pela estudante intercambista Tracy, eles descobrem intenções corruptas por trás das ordens de Kobayashi. Na verdade, a cura para a doença dos cães já havia sido encontrada e, ainda assim, o governo mantinha o posicionamento.

Ao longo da trama, os animais vivenciam situações grotescas, o que aumentou a censura da produção de autoria do diretor Wes Anderson para 12 anos. Em uma briga por montes de comida podre, por exemplo, um cachorro arranca a orelha do outro. Enquanto na vida real a cena é trágica, a ficção dá ares de humor macabro ao drama. 

Os cães, extremamente personificados, são uma metáfora de humanos que foram obrigados a viver em condições insalubres. Assim, a “Ilha dos Cães” se torna uma alegoria que pode ser interpretada de diferentes maneiras, a começar pela semelhança da ilha com campos de concentração nazista.

A versão brasileira, distribuída pela Fox, é legendada. Nomes de peso como Scarlett Johansson, Bryan Cranston (o Walter, de “Breaking Bad”) e Greta Gerwig incluem o elenco de vozes originais. Também roteirista, Kunichi Nomura empresta a voz ao prefeito Kobayashi, e Koyu Rankin dubla o pequeno Atari —ambos personagens que falam japonês.

O filme foi gravado na Inglaterra, em Stop Motion, técnica que utiliza objetos reais para criar a animação. Para cada cena os bonecos são posicionados em diferentes posições e fotografados em sequência. É necessários cerca de 24 fotos para criar um segundo em movimento de um único boneco —para o filme foram criados, artesanalmente, mais de 1.000.

Veja salas e horários de exibição.

Agora
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias