Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Inspirada em Erin Brockovich, série 'Rebel' estreia com heroína imperfeita

Protagonizado por Katey Sagal, projeto estreia dia 10 no Star+

Duas mulheres sentadas dentro de um carro preto olhando para fora

Cena da série 'Rebel' do Star+, estrelando Katey Sagal Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A série de drama do canal ABC, produzida por Krista Vernoff, 47, diretora de "Grey’s Anatomy", conta a história de Annie "Rebel" Bello, interpretada por Katey Sagal, 67. Rebel é uma ativista divertida, destemida e brilhante que exerce o papel de advogada sem ter diploma de advocacia.

"Rebel" terá apenas uma temporada, inspirada na história de Erin Brockovich, 60, que ficou conhecida por ser peça fundamental na criação de processos contra grandes empresas da Califórnia, sem ter instrução formal ou ensino superior, nos anos 1990. A trama chega ao Star+ dia 10 de novembro.

"É uma alegria escrever um programa sobre uma mulher como Erin, que é tão forte e também tão complicada", diz Vernoff em entrevista por video chamada ao F5. Para a produtora, a personagem traz humanidade, e irá causar identificação porque não passa a imagem de ser perfeita ou inabalável.

"Muitas vezes, personagens femininos fortes na televisão são roubados da complexidade, bagunça e humanidade", completa. "A verdade é que não ninguém é perfeito e destemido, as pessoas são corajosas diante de seus próprios medos, e é assim que você afeta o mundo."

Sagal conta que foi inspirador poder mostrar a história de Erin, e esse foi um dos motivos para aceitar participar da série. "Ela é tão implacável, nem sempre apropriada, muito grosseira, mas ela luta pelo bom combate, e trabalha por boas causas", diz sobre sua personagem.

"Adoro o jeito que ela é meio imperfeita", completa. Vernoff conta que a série pode inspirar pessoas diante deste momento difícil que o mundo enfrenta, porque a personagem muda tudo a sua volta com pequenos gestos. "Ela nunca cede ao desespero", afirma.

A produtora diz que a série busca mostrar que é possível fazer mudanças. "Não aceite ‘não’ como resposta, não trabalhe em um sistema que está danificado e com problemas, crie um sistema", afirma Vernoff.

Sagal comenta que o fato de a série ter uma protagonista mais velha pode trazer mulheres que não se sentiam representadas na televisão. "Ela empodera as pessoas", destaca. Ela também ressalta que a relação familiar de Annie Rebel irá mostrar o quão reais os personagens são.

"Ela tem três filhos de dois ex-maridos e um marido atual que nem sempre está junto", explica. Para a atriz, o público irá "nos ver lutando a boa luta. É muito divertido! É engraçado e dramático", completa sobre os episódios.

A produção foi feita durante a pandemia de coronavírus. Sagal diz que, em decorrência das ondas da doença, foi necessário parar as filmagens algumas vezes. "Foi o maior tempo que passei em um episódio de televisão", afirma ela. A série começou a ser gravada em março de 2020, e o piloto foi finalizado apenas em fevereiro de 2021.

O elenco é composto por nomes como Andy García, 65, Julian Cruz, parceiro de trabalho de Rebel, John Corbett, 60, no papel de Grady Bello, marido da protagonista, e Sam Palladio, 34, como Luke ("eu era uma grande fã de ‘Nashville’", diz Vernoff sobre a série em que Palladio ficou conhecido).

A série promete ser divertida e profunda, para trazer identificação do público e muita inspiração. "É sobre espírito de luta", afirma a produtora. "Ela [Rebel] quebraria qualquer regra se a considerasse injusta, por isso ela é uma rebelde."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem