Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Vanessa Gerbelli relembra personagem marcante e diz que artista nunca pode se acomodar

Em 'Maldivas', atriz reencontra Bruna Marquezine após quase 18 anos

A atriz Vannessa Gerbelli Instagram/vanessagerbelli

São Paulo

Era o ano de 2003. Nos jornais, notícias de balas perdidas pelas ruas do Rio de Janeiro eram uma rotina. Na TV, a novela "Mulheres Apaixonadas" (Globo), de Manoel Carlos, tentava trazer para mais próximo do público essa realidade na pele de Fernanda (Vanessa Gerbelli). Em meio a um engarrafamento, a personagem é atingida por um tiro durante uma disputa entre ladrões e policiais militares.

Passados quase 18 anos, a atriz coloca esse trabalho entre seus três melhores: "Top 3", afirma ela. “A audiência era grandiosa. Teve engajamento do público como raramente eu vi nesses meus 20 anos de carreira. Profissionalmente me ensinou muito, eu tinha pouca experiência, só tinha feito ‘O Cravo e a Rosa’ [2000]. A novela retratava o que acontecia no Brasil", avalia a atriz em entrevista ao F5.

A tal cena em que Fernanda é baleada será reprisada neste sábado (13) no canal Viva. Na época em que foi gravada, a sequência provocou polêmica, com protestos do setor hoteleiro e até proibição por parte do subprefeito da região, por ser julgada negativa para o turismo local. Mas ainda assim, aconteceu, com mais de 400 pessoas envolvidas, comovendo o público e ganhado destaque na imprensa.

Na época, Vanessa Gerbelli saiu em defesa da cena que se tornou icônica: "Não entendo a polêmica", afirmou ela na ocasião. "A cena é um alerta, um protesto contra o que vem acontecendo na cidade, algo que vai levar o público a questionar-se sobre o assunto. Quem sabe esse movimento possa despertar algumas consciências para que se busquem soluções."

A trama, que foi vista por cerca de 35 mil pessoas por dia na época, marcou também a parceria de Vanessa com a atriz Bruna Marquezine, 25, que tinha apenas sete anos e interpretava a pequena Salete, filha de Fernanda. “Tínhamos uma energia parecida, o tom de voz parecido. Até hoje quando a encontro vejo semelhanças", brinca a atriz. "Ela faz aniversário um ou dois dias antes de mim. Coincidências..."

Com essa química, não é de se estranhar que as duas tenham voltado a se encontrar agora, nas filmagens da série “Maldivas”, da Netflix, que deve estrear ainda neste ano, com elas novamente fazendo mãe e filha. “Foi um reencontro legal, carinhoso e engraçado. Foi como se não tivéssemos ficado longe todo esse tempo. Ela é familiar, lembrava de coisas que eu não lembrava."

Apesar de ter sido revelado pouca coisa sobre a trama até agora, sabe-se que Bruna será Liz, uma jovem que quer descobrir mais sobre a morte de sua mãe (Gerbelli) em um incêndio. A personagem, que vai morar num luxuoso condomínio chamado Maldivas, na Barra da Tijuca, no Rio, terá de se infiltrar num universo com pessoas peculiares para descobrir mais sobre seu passado.

“A afinidade que temos continua. Vai ser um trabalho muito bonito. Ela tem a mesma energia daquela menina de sete anos. A sintonia percebi que nunca deixou de existir. Na época de ‘Mulheres Apaixonadas’, tudo fluía de uma maneira impressionante”, diz Gerbelli. "Não sei explicar de onde vem a nossa cumplicidade, mas eu confio muito em energia, o santo bateu, não tem jeito."

Além de Vanessa Gerbelli e Bruna Marquezine, a série tem também no elenco nomes como Manu Gavassi, Natalia Klein, Sheron Menezzes, Guilherme Winter e Klebber Toledo.

CARREIRA E MODO AUTOMÁTICO

Além do papel marcante que teve em "Mulheres Apaixonadas", Vanessa Gerbelli acumula muitas outras produções de sucesso. Após sua estreia na TV em "O Cravo e a Rosa", ela emendou trabalhos em "Da Cor do Pecado" (Globo, 2004), "Prova de Amor" (Globo, 2005), "Em Família" (Globo, 2014) e "Sete Vidas" (Globo, 2015), além de ter passado pela Record, onde fez "Jesus" (2018).

Durante a pandemia, ela deu uma distanciada da TV, mas ainda assim pôde ser vista pelos fãs, nas reprises de "Jesus" e "Novo Mundo" (Globo, 2017). A atriz, no entanto, confessa que não acompanhou muito das reapresentações, mas faz questão de assistir quando seus trabalhos estão em andamento. "Gosto de ver porque tudo sempre pode melhorar. Acho que o ator nunca pode se acomodar. Quando mais você estuda e arrisca, pega referências, mais você cresce”, afirma.

A pandemia, no entanto, foi mais importante para a atriz no âmbito pessoal. Mãe de um menino de 13 anos, Tito, ela afirma que percebeu agora a sobrecarga do seu dia a dia. “Agora que eu percebi como essa rotina de ser mãe, atriz e dona de casa é uma sobrecarga. Vivemos em um modo automático e ficamos estressados. Essa parada fez eu me organizar melhor e me aproximar do meu filho."

Ela conta que Tito acabou mudando de escola após dez anos e logo de cara teve de iniciar as aulas online em um colégio onde não conhecia ninguém. “Me dediquei a ele. Ajudar a conciliar os horários dele e estar mais perto foi gratificante”, define.

Além das aulas online com o filho, a atriz conta que também conseguiu aproveitar esse tempo para se aprofundar em temas dos quais gosta muito, como meditação, física quântica e espiritualidade. A mãe da atriz também passou a pandemia com ela, já que o pai de Gerbelli morreu em 2019. “Tive de cuidar dela e de toda a burocracia da vida dela.”

Além de tudo isso, Vanessa também teve a oportunidade de atuar de forma online em um monólogo em quatro apresentações. A peça “Sombras no Final da Escadaria” mostrava a história de uma atriz que invadia um teatro e não queria sair de lá até que o espetáculo fosse feito. “É metafórico, pois reflete esse momento de nós não podermos trabalhar", afirma a atriz, que deixou o projeto para fazer "Maldivas".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem