Adjoa Andoh e Regé-Jean Page em episódio da série “Bridgerton”, da Netflix Liam Daniel/Netflix

Salamishah Tillet
The New York Times

“Éramos duas sociedades separadas, divididas por cor, até que um rei se apaixonou por uma de nós”, diz a cortante Lady Danbury (Adjoa Andoh) ao seu protegido, o duque de Hastings. “Veja tudo que isso está fazendo por nós, permitindo que avancemos”. Ela insiste: “O amor, sua Graça, vence tudo”.

Aparecendo no quarto episódio de “Bridgerton”, a primeira série produzida por Shonda Rhimes como parte de seu polpudo contrato com a Netflix, essa conversa entre os dois principais personagens negros da série é a primeira menção explícita a raça em uma história que gira em torno do duque, um homem negro chamado Simon Basset (Regé-Jean Page), que corteja apaixonadamente Daphne (Phoebe Dynevor), a filha mais velha da família Bridgerton –rica, branca e aristocrática.

A diversidade de elenco da série é sua qualidade mais imediatamente notável, por retratar personagens negros não só como aristocratas, como o duque e Lady Danbury, mas também como empreendedores, a exemplo de madame Genevieve Delacroix (Kathryn Drysdale), além de como pessoas de classe trabalhadora, a exemplo do casal Will e Alice Mondrich (Martins Imhangbe e Emma Naomi). Todos eles têm papéis centrais no complicado sistema de castas sociais que a série cria para retratar Londres no começo do século 19.

“Bridgerton” não é o primeiro namoro entre Rhimes e um elenco multirracial em um drama de época passado no Reino Unido. Em 2017, ela produziu “Still Star-Crossed”, para a rede de TV ABC, que começa com as mortes de Romeu e Julieta e se concentra em seus primos Benvolio Montague e Rosaline Capulet, forçados a se casar para resolver a rixa entre as duas famílias.

Ainda que Benvolio e Rosaline tenham sido escalados deliberadamente como um casal inter-racial, a raça não era uma questão em disputa, na série, e não alimentava comentários sociais. Em lugar disso, os espectadores foram convidados a desconsiderar as percepções raciais contemporâneas a fim de aceitar a Verona do passado como capaz de ignorar questões de cor. (Essa estratégia, e outros elementos da série, não foram bem sucedidos, e “Still Star-Crossed” terminou cancelada depois de apenas uma temporada.)

Em contraste, os personagens de “Bridgerton” jamais parecem esquecer que são negros, mas entendem esse fato como uma das muitas facetas de sua identidade, e continuam a prosperar na sociedade inglesa da era da regência. O sucesso da série prova que as pessoas não brancas não precisam ser excluídas ou existir apenas como vítimas do racismo, a fim de garantir o sucesso de um drama de época britânico.

Chris Van Dusen, que comanda a série “Bridgerton”, era roteirista de “Grey’s Anatomy”, outra série de Rhimes, e mais tarde se tornou coprodutor executivo de “Scandal”, uma série que reconhecia, mas não girava inteiramente em torno das tensões raciais nos relacionamentos românticos de Olivia Pope. Aplicando essa abordagem à sua adaptação dos romances de Julia Quinn sobre os Bridgerton, Van Dusen nos leva a uma Inglaterra governada por uma mulher negra, a rainha Charlotte (Golda Rosheuvel), no começo do século 19.

“Isso me fez imaginar como as coisas teriam sido”, disse Van Dusen em entrevista recente ao The New York Times sobre a série. “Ela teria usado seu poder para elevar outras pessoas não brancas na sociedade? Teria lhes conferido terras, títulos e ducados?”

Uma decisão como essa rejeita a homogeneidade racial de dramas de época como “Downtown Abbey”, que o produtor daquela série, Gareth Neame, insistia ser necessária para fins de fidelidade histórica. “Não é uma era multicultural”, ele disse em uma entrevista ao site Vulture em 2014. “Não podemos de repente começar a povoar a série com pessoas de toda espécie de etnia. Não seria correto."

“Bridgerton” oferece um modelo para dramas de época britânicos nos quais personagens negros podem florescer em meio a histórias melodramáticas, figurinos extravagantes e beleza bucólica, os elementos que tornam esse tipo de produção tão atraente, sem que precisem desempenhar papéis como criados ou escravos. Isso poderia criar oportunidades para atores talentosos que não tiveram oportunidades no passado.

“Não posso trabalhar em ‘Downtown Abbey’, não posso trabalhar em ‘Victoria’, não posso trabalhar em ‘Call the Midwife’”, disse a atriz Thandie Newton ao jornal Sunday Times, de Londres, em 2017. “Bem, eu poderia, mas não quero interpretar o papel de uma pessoa que sofre abusos raciais”. Ela prosseguiu: “Parece existir um desejo por produções sobre a família real, coisas do passado, o que é compreensível, mas isso não traz muitas oportunidades para os atores não brancos."

Apesar de todas as suas inovações, “Bridgerton” tem seus pontos cegos. Para mim é estranho que só os personagens negros falem sobre raça, uma decisão criativa que acarreta o risco de reforçar o privilégio branco que a série busca reduzir, por permitir que os personagens brancos existam livres de identidade racial.

Quando Lady Danbury expressa sua confiança otimista no poder do amor, o duque é mais circunspecto, e rebate que o progresso dos negros é frágil e depende dos caprichos do rei branco que estiver no poder. Mas para encontrar evidências narrativas dessa precariedade é preciso recorrer a outros dramas de época britânicos recentes que contavam com personagens negros em papéis centrais, como “The Spanish Princess” e “Sanditon”.

“The Spanish Princess”, do canal Starz, se passa na Inglaterra da era Tudor e traz Stephanie Levi-John como uma mulher negra chamada Lina que foi à Inglaterra como dama de companhia de Catarina de Aragão. Baseada em uma figura história real, a série relata inteligentemente a luta entre sua fidelidade a Catarina e seu amor por seu marido mouro, Oviedo, e pelos filhos gêmeos do casal, enquanto a xenofobia cresce em todo o reino e o casamento entre Catarina e Henrique 8º se desmantela.

A série se passa no século 16, durante um período histórico no qual escravidão e raça não estavam inextricavelmente ligados. Nela, a pele negra de Lina simplesmente a indica como estrangeira, em lugar de ser uma marca de opressão, o que nos permite perceber como essas diferenças eram experimentadas e interpretadas antes que o racismo hostil aos negros fosse codificado na Europa (e nas Américas), por resultado do comércio de escravos transatlânticos.

Quando chegamos ao mundo do início do século 19, em “Sanditon”, da rede PBS, no entanto, o longo alcance do comércio de escravos se estende ao litoral britânico e à cidade cujo nome serve de título à série. Adaptada por Andrew Davies de um romance inacabado de Jane Austen, “Sanditon” expande a história de Miss Georgiana Lambe, a primeira personagem negra de Austen.

Descrita de forma breve (e ofensiva) no manuscrito como “mulata”, filha de um pai branco, escravista, e de uma mãe negra escrava, na colônia britânica de Antigua, na série Georgiana, interpretada por Crystal Clarke, é uma herdeira cuja riqueza e beleza exótica a tornam a mais disputada jovem da costa sul inglesa. Para mim, o status elevado de Georgiana é o desafio de representação mais importante da série: ao admirar seu esplendor, me apanhei esquecendo o trabalho escravo que o criou.

Mas traumas raciais persistem. A despeito da atenção que recebe, Georgiana se sente alienada na Inglaterra por conta de sua raça, uma experiência que considero mais realista que a de Marina Thompson (Ruby Barker), outra debutante birracial que também se vê sozinha na corte, em “Bridgerton”.

Outros retratos complexos da participação britânica no comércio de escravos podem ser encontrados em “Belle”, notável filme dirigido por Amma Asante em 2013, ou no personagem de Pippa Bennett-Warner em “Harlots”, do serviço de streaming Hulu, uma ex-escrava que vive em liberdade na Londres da década de 1780.

Também aguardo ansiosamente a minissérie “The Long Song”, que estreia este mês na PBS. Baseada no romance homônimo de Andrea Levy, a história transcorre no início da emancipação na Jamaica, na década de 1830. É mais uma história da Inglaterra e do papel central que os súditos negros da coroa desempenharam em construir sua riqueza e grandeza na era do rei George e da rainha Charlotte, ainda que seja provável que vejamos muito menos espartilhos e bailes de alta sociedade.

Ao evitar tratar tanto da escravidão quanto o fervilhante movimento abolicionista que florescia em Londres no começo do século 19, “Bridgerton” por fim opta por um escapismo semelhante ao de “Downtown Abbey”, de preferência a uma observação mais sutil da dinâmica racial real, e em geral relega esses aspectos ao passado da história.

Em flashbacks, somos informados de que o primeiro duque de Hastings se deixou afetar pelo status que havia acabado de adquirir, exigindo, em termos abusivos, perfeição da mulher e do filho (que era gago quando criança). O que lembra o pai de Olivia Pope, em “Scandal”, que certa vez adverte à filha que “você terá de ser duas vezes melhor do que eles para conseguir a metade do que eles têm”.

Com novas temporadas presumivelmente por vir, dada a popularidade da série, estou curioso para saber como “Bridgerton” vai se distanciar dos romances de Quinn a fim de ocupar os mundos de outros personagens negros, especialmente mulheres negras como Lady Danbury, a rainha Charlotte ou madame Delacroix. Elas são as personagens mais intrigantes da série, mas continuam em geral inexploradas –será que poderão exibir a mesma complexidade que o duque, no futuro? Ou que toda a família de Daphne?

Em uma sociedade na qual os costumes sexuais e de gênero dominam as ações e atitudes de todos os personagens, quero ver como essas mulheres aprenderam a navegar essas mesmas estruturas, sendo diferentes de todos os demais. Por que, a despeito da opinião de Lady Danbury sobre o poder do amor, não consigo deixar de pensar que a história terminou validando o ceticismo do duque e sua sensação de que o progresso negro é sempre algo frágil.

Mas quem pode dizer? Se me contarem como Lady Danbury ou a rainha Charlotte chegaram ao lugar em que estão, eu talvez me deixe convencer e comece a desfrutar de um passado no qual até agora eu nunca me vi.

Tradução de Paulo Migliacci

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem