Cinema e Séries

Minissérie sobre Elis Regina vai além do filme de 2016 com inclusão de Rita Lee e cenas documentais

A obra será exibida em quatros capítulos a partir desta terça

andreia horta como elis regina
Andreia Horta gravou novas cenas como Elis Regina para a minissérie produzida pela Globo - Divulgação
Fabiana Schiavon
São Paulo

"Isso não é uma boa ideia", brincou a atriz Andreia Horta, 35, ao receber o convite para interpretar Elis Regina (1945-1982) novamente. O longa "Elis", que foi sucesso nos cinemas, volta à TV repaginado na forma da minissérie “Elis – Viver É Melhor que Sonhar”, que estreia nesta terça-feira (8), após a novela "O Sétimo Guardião" (Globo), com quatro capítulos.

Para dar vida à minissérie, os atores gravaram novas cenas, três anos depois. Para o cineasta Hugo Prata, que dirigiu o longa, o público verá uma nova produção na televisão. "A equipe de Guel Arraes e de George Moura chegou com uma proposta clara de entregarmos um outro produto. Não seria justo só fatiar o filme. Por isso, a série transborda o que foi para o cinema. São obras distintas", afirma Prata. 

Uma das grandes novidades é entrada de Rita Lee na história. Ela será interpretada por Mel Lisboa, que já a viveu no musical "Rita Lee Mora ao Lado". A cena principal mostra o momento em que as duas se conheceram, na prisão. "Quando vi Mel Lisboa vestida de Rita Lee pela primeira vez, eu quase caí para trás", brinca Andreia Horta.

Quanto Rita foi presa durante o ditadura militar (1964-1985), Elis decidiu visitá-la. "Achamos imagens de arquivo das duas narrando esse fato, e colocamos logo depois da cena. As pessoas de carne e osso vão contar o que acabamos de reconstituir na tela", conta George Moura, diretor da série.

Para Mel Lisboa, que viveu Rita Lee nos cinemas, também foi um desafio colocar a sua personagem de volta em cena. "No musical, por quase três anos, eu fiz a Rita em uma situação diferente. O palco é muito diferente da câmera e o momento retratado também. O musical tem uma Rita muito solar e feliz, e a série retrata o momento em que ela passa pela prisão." 

Elis" levou mais de 500 mil pessoas aos cinemas, segundo dados do site Adoro Cinema. "Quando fizemos o filme, não sabíamos que ele seria uma série. Ele teve um resultado de bilheteria que nos surpreendeu positivamente, e com pessoas aplaudindo nas salas. Ganhamos 34 prêmios em festivais pelo mundo. O filme nos deu muita alegria e parecia suficiente, mais ainda veio a oportunidade de transformá-lo em série", celebra Hugo Prata, diretor do longa.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias