Cinema e Séries

Réplicas do carro de James Bond com efeitos especiais serão vendidas por R$ 13 milhões

Fábrica da Aston Martin fará 25 unidades idênticas ao do filme

DB5, carro de 1964 da Aston Martin, em cena no filme 007 "Goldfinger"
Sean Connery ao lado do carro DB5, de 1964, da Aston Martin, em cena no filme 007 "Goldfinger" - Divulgação

São Paulo

O carro que ficou famoso no filme “007 - Contra Goldfinger” (1965), com Sean Connery no papel principal, será fabricado pela empresa Aston Martin, que desenvolveu o original para o longa.

A empresa anunciou que serão produzidas 25 unidades com o visual clássico do carro e até com dispositivos criados para o personagem pelo diretor de efeitos visuais Chris Corbould, que venceu o Oscar da categoria, na época.

Quem puder pagar as 2,75 milhões de libras (R$ 13,8 milhões) receberá o carro em 2020. Um dos truques do modelo, como visto no filme, é a placa retrátil. O carro atinge a velocidade de 238 km por hora.  ​A única desvantagem é que a réplica não está autorizada a circular pelas ruas. Um dos carros será leiloado para caridade.

"A conexão entre a Aston Martin e o James Bond é algo que temos muito orgulho. É notável como o DB5 continua reconhecido como o carro definitivo do James Bond após tantos anos. Ter um Silver Birch DB5 com todos os equipamentos do filme e construído dentro dos maiores padrões de qualidade e na mesma fábrica do original é, com certeza, a maior fantasia dos fãs e colecionadores”, afirmou Andy Palmer, presidente da Aston Martin, em comunicado oficial divulgado pela empresa.

Após aparecer em “007 - Contra Goldfinger” (1965), o carro ainda foi utilizado em outros seis filmes de James Bond: “007 contra a Chantagem Atômica” (1966), também com Sean Connery, e depois “007 Contra GoldenEye” (1995) e “007 O Amanhã Nunca Morre” (1997), com Pierce Brosnan. O ator Daniel Craig também contracenou com o carro em “007 Cassino Royale” (2006), “007 Operação Skyfall” (2012) e “007 contra Spectre” (2015).

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem