Celebridades

Ricky Martin lamenta falta de convites para atuar: 'É porque sou gay?'

Cantor tem experiência como ator e foi indicado ao Emmy por minissérie

Ricky Martin
Ricky Martin - Instagram/@rickymartin
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Ricky Martin, 49, contou que não entende os motivos para sua carreira de ator não ter decolado após ele ter sido indicado ao Emmy por "American Crime Story: The Assassination of Gianni Versace" (2018). Ele acredita que possa ter a ver com o fato de ele ser gay.

O cantor, que há 25 anos fez parte do elenco de "General Hospital", também participou de "Glee". No teatro, estrelou musicais como "Evita" e "Os Miseráveis" na Broadway.

"Eu amo atuar", afirmou o porto-riquenho em entrevista à revista People. "Estou esperando por esses roteiros, por esses ótimos roteiros. Posso interpretar gays, posso interpretar héteros, posso interpretar um serial killer... Posso interpretar um latino, mas também posso interpretar um europeu. Estou pronto. Basta dar para mim, cara. Deem [papéis] para mim."

“Eu só quero explorar qualquer coisa que tenha a ver com atuação", disse. "Eu amo teatro também."

"Quero contar uma história", continuou. "É isso que eu quero. Quero contar uma história importante e quero mudar a maneira como as pessoas veem a vida em geral de uma forma mais otimista."

Martin contou que, há alguns anos, um executivo de gravadora lhe disse que ele venderia mais discos se tivesse ficado no armário e não revelado que é gay. "Isso foi algo que realmente me afetou", revelou.

"Eu pensei: 'Estou realmente lidando com isso? Eles não estão tocando minha música neste país porque eu sou gay? Isso está realmente acontecendo?'. Estamos falando de cerca de quatro anos atrás", afirmou. "Esse executivo não trabalha mais para a gravadora. Ele foi demitido. Mas eu senti. Aquilo me atingiu muito."

Mesmo assim, ele disse não saber se o fato tem prejudicado sua carreira de ator. "Não sei se não estou conseguindo papéis porque sou gay", admitiu. "Mas, se for esse o caso, é muito triste. Vou continuar trabalhando até que a vida seja diferente."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem