Celebridades

Justiça de SP determina penhora de cachê do cantor Giovani para quitação de dívidas

Advogados do músico dizem que fecharão acordo para finalizar processo

A dupla Gian e Giovanni
Dupla Gian e Giovani - Reprodução
São Paulo

A Justiça de São Paulo determinou a penhora do cachê do cantor Giovani, que faz dupla com Gian, para o pagamento de uma dívida que estaria em mais de R$ 1 milhão, após a rescisão de contração do músico com as empresas DWJ Shows e a Produtora 10, em 2016.

A informação foi divulgada pela colunista Fábia Oliveira, do jornal o Dia, e confirmada pelo F5. A assessoria do músico afirmou que “as partes já estão em tratativas avançadas para finalizar o processo, e a minuta de acordo está sendo confeccionada para apresentação ao juízo”.

Segundo a ação, que corre na 33ª Vara Cível de São Paulo, Giovani deveria ter pago uma multa de R$ 397.154,19 pela rescisão de seu contrato com as duas empresas em fevereiro de 2016. Como o valor não foi pago, a DWJ Shows e a Produtora 10 entraram na Justiça e as partes firmaram acordo em 2017.

Novamente, o valor acertado no acordo não foi pago, o que levou a Justiça a determinar, neste ano, a penhora de 30% do cachê dos shows da dupla Gian e Giovani, independente de quem seja o contratante. As medidas de suspensão de passaporte e carteira habilitação não foram acatadas.

Segundo a colunista Fábia Oliveira, a defesa de Giovani chegou a argumentar, no decorrer do processo, que o sertanejo não possuiria nível escolar para prosseguir com as negociações. A reportagem tentou contato com as DWJ Shows e a Produtora 10 na manhã desta quinta-feira (15), mas sem sucesso.

Gian e Giovani, que são de Franca (a 401 km de São Paulo), começaram a carreira em 1988 e fizeram uma pausa em 2014, quando Gian, 51, sofreu um AVC (acidente vascular cerebral). Eles anunciaram o retorno da dupla em agosto de 2018, segundo Giovani, atendendo a um pedido de seu pai.

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

A dupla Gian e Giovani começou a carreira em 1988, e não em 1998. O texto foi corrigido.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem