Celebridades

Paolla Oliveira desabafa após deixar delegacia: 'Foi violento, mesmo não sendo eu no vídeo'

Polícia abriu investigação para identificar criminosos

Paolla Oliveira presta depoimento na Delegacia de Crimes de Informática, no Rio
Paolla Oliveira presta depoimento na Delegacia de Crimes de Informática, no Rio - Anderson Borde-15.jun.2019/AgNews
São Paulo

Terminou o drama da atriz Paolla Oliveira, 37, após ser confundida com uma atriz pornô americana, em um vídeo que circulou pela internet. Depois de deixar a delegacia na última segunda (15), ela escreveu um texto relatando a sua experiência e lembrando que muitas mulheres passam por isso todos os dias.

"Não se calem. Denunciem!", escreveu a atriz. "Foi muito violento mesmo não sendo eu naquele vídeo, fico imaginando a dor de quem é realmente vítima de pornografia de vingança ou qualquer tipo de exposição da sua intimidade. A internet não se apaga. Cuidem-se", afirmou Oliveira.

A atriz conta que a polícia agora deve instaurar um inquérito para partir a identificação dos autores, que podem pegar até um ano de prisão por crime contra a honra. Oliveira esteve na delegacia para prestar queixa sobre a veiculação de um vídeo pornô no qual a atriz foi apontada como participante.

O vídeo de dez segundos mostra uma atriz pornô americana bastante semelhante a Oliveira e tem viralizado por redes sociais e por aplicativos de bate-papo. A equipe de defesa de Paolla Oliveira identificou a mulher como Verônica Radke. 

O trecho do vídeo, segundo o advogado da atriz brasileira, foi retirado de um filme pornô já existente e mais antigo, de mais de seis minutos. ​"Este é um crime contra a honra e infelizmente a pena é baixa no Brasil”, disse Sartori ao F5.

O delegado afirma também que não se pode confundir o caso de Paolla Oliveira com os crimes enquadrados na Lei Carolina Dieckmann, que prevê a invasão de dispositivos de informática e que, segundo ele, está completamente em desuso. “Hoje em dia ninguém mais invade dispositivo. Invade-se a rede”, diz.

“Este é um crime contra a honra, pois não tem previsão na nossa lei de um crime específico para isso. Há um crime que se criou recentemente, sobre a divulgação de fotos de nudez e cenas de sexo, mas o caso da Paolla só seria enquadrado aqui caso o vídeo fosse de fato dela”, explica.

Mesmo aqueles que divulgaram o vídeo dizendo que apenas achavam que as cenas eram de Paolla Oliveira poderão ser condenados, segundo o delegado. “Essa pessoa também está ofendendo a atriz e não tomou os cuidados necessários para checar se as imagens eram dela ou não.”

Paolla Oliveira estava acompanhada de seu advogado, Ricardo Brajterman, quando foi à delegacia para prestar a queixa. A atriz quer identificar o narrador do vídeo que diz que a mulher nas imagens é ela e também as pessoas responsáveis por fazer o upload das imagens.

A atriz, que não quis falar com os jornalistas presentes na delegacia, foi recentemente às redes sociais desabafar sobre o caso. “Em dois minutos de pesquisa, qualquer pessoa que teve acesso a isso descobriria. Não sou eu, é outra mulher", escreveu ela, chateada por alguns veículos de imprensa falarem do vídeo e usarem a palavra “supostamente” para explicar o caso.

Não é a primeira vez que Paolla Oliveira se vê diante de uma polêmica como essa. Em 2018, Oliveira teve fotos nuas vazadas enquanto gravava a série "Assédio". Na época, ela se revoltou. “Sou atriz e estou trabalhando em uma série que se chama Assédio, uma produção da Globo com a O2Filmes.

Em um ambiente controlado, fechado e profissional, um criminoso (não há outra palavra que o defina - pois o que foi feito é crime) resolveu fazer fotos clandestinas de um momento mais sensual.” Oliveira está no ar agora como a influenciadora digital Vivi Guedes, em “A Dona do Pedaço” (Globo).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem