Televisão

Paola Carosella diz não haver machismo no 'MasterChef': 'Homens e mulheres estão em condições iguais'

Com os 21 competidores definidos, o "MasterChef" (Band) começa, de fato, nesta terça (28).

Com alguns episódios já gravados, a jurada Paola Carosella consegue avaliar os novos candidatos, na sua opinião, mais preparados do que os anteriores.

"Não sei como [o participante] vai lidar com a pressão, fazer uma receita que não conhece e atuar fora de sua zona de conforto, mas até aqui experimentei pratos que estão no nível de um bom restaurante", diz ao "F5".

Para ela, a versão amadora do reality gastronômico tem "outra energia e paixão". "O profissional surpreende mais o público do que a nós, jurados. Talvez porque eles usam técnicas desconhecidas, mas o amador... É outra coisa, é um programa amoroso."


Paola Carosella
A chef argentina Paola Carosella - Bruno Poletti/Folhapress


Machismo

Conhecida por seu discurso feminista, Paola afirma nunca ter sofrido machismo dentro da cozinha. O comentário não é aleatório: ela se refere ao debate caloroso suscitado pelo "MasterChef Profissionais", exibido até dezembro passado. 

Em um dos episódios mais polêmicos da atração, Ivo mandou a colega Dayse varrer o chão. Ela reclamava por não ter recebido nenhuma tarefa na prova de grupos e ficou irritada com a resposta que ouviu. 

"Se você entra numa cozinha com preconceito, se você mesma carrega o preconceito, você vai achar esse preconceito porque irá vê-lo em lugares que ele não existe. Aqui, no estúdio, a grande diferença da vida real é que os participantes estão em condições iguais de competição."

Ela defende que "o verdadeiro machismo" acontece quando "homens e mulheres estão socialmente em condições diferentes". 

A jurada já havia se manifestado sobre o tema nas redes sociais. Na ocasião, foi duramente criticada por falar de "um blah machista meio tonto na TV".



Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem