Renato Kramer

'Meu filho mais velho discorda de mim em tudo e me dá o maior orgulho', diz Maria Ribeiro

Até o final do mês das mulheres, celebridades aparecerão em pequenos depoimentos no "Saia Justa" (GNT). Nesta quarta-feira (23), foi a vez da atriz Betty Faria.

"É difícil pensar nas conquistas das mulheres, pois, ao mesmo tempo em que eu penso que teve a Lei Maria da Penha, vejo tanto absurdo ainda acontecendo no Brasil e no mundo", observa Betty.

E acrescenta: "Agora tem microcefalia, o assunto aborto... O direito da mulher de decidir se quer continuar uma gravidez com problemas seríssimos. Isso tem que ser visto e falado, isso é um absurdo", conclui Betty Faria.

Um dos assuntos debatidos pelas meninas do "Saia Justa" foi a chegada do momento crucial dos filhos darem rumo para as suas vidas. "Todo o pai e mãe precisa se preparar", diz Astrid. E lembra que a pop star Madonna está sofrendo publicamente porque o seu filho Rocco, 15, escolheu morar com o pai, o cineasta Guy Ritchie.

"E aí na sua casa? Adolescentes e jovens escolhem coisas que vão afetar duramente a sua vida? Como viver esse processo sem sofrer mais do que o necessário?", questiona a apresentadora.

Maria Ribeiro responde de imediato: "Primeiro que uma mãe que expôs um filho de 15 anos, nas redes sociais, para dizer que está triste porque ele foi morar com o pai, é uma mãe que não está olhando para esse filho. Desculpa, mas ela está olhando só para ela".

"Ser mãe é você olhar para o outro, não olhar para si", reforça Ribeiro.

"Ser filho da Madonna não deve ser fácil, mas o mais surpreendente é ela estar pagando esse mico e errando mais ainda com o menino", complementa Astrid.

"Eu já estou sofrendo por antecipação", anuncia Mônica Martelli. "Porque como eu fui uma adolescente muito rebelde, terrível, fiz muita coisa errada, não queria falar as coisas para a minha mãe. Eu já fico assim, sabe... A gente sabe que isso vai acontecer", declara a comediante.

E enfatiza: "A gente sabe que eles vão se desgarrar, a gente sabe que não é mais referência para eles. Na adolescência, a referência passa a ser os amigos, é aquele cantor que você vira fã, é aquele grupo que você quer se sentir inserido. Então faz parte do adolescente afirmar a sua identidade. É necessário ele errar, ir para a vida e afirmar a sua identidade. Agora, vamos falar que a gente não vai sofrer?", encerra Martelli.

Já Barbara Gancia foi mais longe: "Faz parte de você criar uma personalidade, se tornar um indivíduo, você ir contra os seus pais. É tão natural aquela coisa de "mamãe eu te odeio", "papai eu te odeio" —nessa idade se não falar isso vai virar problemático", afirma Gancia.

"Ele não está querendo dizer 'eu te odeio'. Ele está querendo dizer 'eu odeio ainda ter que precisar tanto de você'”, argumenta Maria. "É isso", concorda Barbara.

"Uma das partes tem que ser madura. E hoje em dia a gente tem pais infantilizados. Então você não consegue suportar. Adolescente vai dar defeito, vai dar ruim, vai ser difícil, a gente vai sofrer, e é isso aí. É como é, não pode ser de outro jeito", acrescenta Ribeiro.

E dá um testemunho pessoal: "O meu filho mais velho vai fazer 13 anos. E atualmente ele discorda de mim em tudo. Sobre cinema, música e tal, e isso me dá o maior orgulho", confessa Maria Ribeiro.

<> Galeria
Maria Ribeiro
Maria Ribeiro
Veja imagens da atriz Maria Ribeiro

 

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias