Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Você viu?

Italiano que pensava namorar Alessandra Ambrosio diz que 'acordou de um coma'

Ele namorou 15 anos mulher que usava fotos da modelo brasileira

Homem branco sentado mostrando a língua vestindo uniforme de time, com bermuda azul marinho e camiseta cinza
Atleta foi enganado por 15 anos por mulher que usava fotos da modelo brasileira Alessandra Ambrosio - Instagram/newmatervolley_official
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O jogador de vôlei Roberto Cazzaniga, que disse ter acreditado durante 15 anos que namorava a distância a modelo brasileira Alessandra Ambrosio, revelou em uma entrevista que teve um prejuízo de 700 mil euros, cerca de R$ 4,3 milhões, após se apaixonar pela estelionatária.

O atleta disse que os dois nunca se encontraram, e ela usava fotos da modelo Alessandra Ambrosio pela internet. "Nós nunca nos conhecemos. Nunca. Ela deu mil desculpas, como doença e trabalho. E ainda assim me apaixonei por aquela voz, uma chamada após a outra", disse em entrevista ao jornal Corriere Della Sera.

"O contato era apenas no celular, quase que diariamente. Ligava antes de eu ir treinar ou à noite, na hora de dormir. Como ela me tirou todo esse dinheiro? Nem sei ao certo, mil euros aqui, outros dois mil ali... No final chegamos a um total de 700 mil. Passado este pesadelo, é como se tivesse acordado de um coma que me fez perder décadas de vida", completou Cazzaniga ao períodico italiano.

A revelação do caso foi feita nesta semana, no canal de TV Italia Uno, em que a família e os amigos de Cazzaniga pediram ajuda ao programa de televisão para colocá-lo diante da dura realidade. O golpe teria começado em 2008, quando uma amiga dele, chamada Manuela, deu o telefone de uma mulher que queria conhecê-lo.

Segundo a história contada, a mulher então se apresentou como Maya e, depois, afirmou que o nome era um pseudônimo para Alessandra Ambrosio, a modelo brasileira. "Nunca tive dúvidas. Para mim, era ela. Aquela voz me deixou à vontade e me confortou", contou na entrevista.

"Me pedia dinheiro com desculpas plausíveis, como quando teve que dar um presente, mas o caixa eletrônico foi bloqueado. Mas era impossível vê-la devido às suas constantes viagens de negócios e uma grave doença cardíaca. Ela me dizia que ficava hospitalizada com frequência", completou o atleta.

Cazzaniga conta que fez empréstimos para a mulher e até pediu dinheiro para seus pais, irmão e amigos. No início, os colegas do time New Matter brincaram com a namorada, já que ninguém a conhecia. No entanto, o ato de pedir dinheiro por tantos anos teria alertado os amigos do atleta.

Segundo o jornal italiano Il Fatto Quotidiano, na realidade quem falava com o jogador era Valeria, uma mulher de 50 anos, moradora de Sardenha, que recebia o dinheiro que ele enviava periodicamente para custear tratamentos de supostos problemas cardíacos.

"Um dia ele estava no quarto, no escuro. Eu o vejo chorar, pergunto o que ele tem e ele me diz que se apaixonou, mas essa mulher está na UTI para fazer uma operação cardíaca e não pode ir ao hospital porque ficaria com raiva ", disse Danilo, o irmão do jogador de vôlei.

O jogador afirmou à mídia italiana que chegou a pedir empréstimos para conseguir enviar dinheiro para a namorada virtual. Mas foi a ajuda dos amigos e familiares, que procuraram o programa de televisão, que fizeram o atleta descobrir o golpe e apresentar queixa à polícia.

O programa de TV também localizou a mulher para quem Cazzaniga mandava dinheiro, mas ela negou tudo. "Eu sou Valéria e sou amiga da Maya há muito tempo, conheci-a no período em que conheci a Manuela", disse a suspeita.

A reportagem perguntou o motivo dela receber o dinheiro enviado pelo atleta. Após um breve silêncio, ela respondeu: "Enfim, seja o que for que eu fale, acho que você não acredita em mim."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem