Você viu?
Descrição de chapéu twitter

'Fleets Day': Usuários do Twitter se despedem do recurso publicando nudes

Ferramenta será desativada nesta terça-feira

Logo do aplicativo do Twitter - Thomas White/REUTERS
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O Fleets, recurso do Twitter que permite que usuários publiquem fotos e vídeos que serão apagados após 24 horas, será desativado nesta terça-feira (3). A ferramenta é semelhante aos Stories do Instagram, no entanto, não teve adesão dos usuários.

A remoção do recurso gerou muitos comentários por parte dos internautas, e a palavra "Fleets" e a hashtag "Fleets Day" ("Dia do Fleets", em português) chegaram a ficar entre os assuntos mais comentados da rede social. Além disso, como despedida, usuários começaram a publicar fotos íntimas e nudes na ferramenta.

"Não são nem 10 da manhã e eu já vi três bundas diferentes", escreveu um internauta. "#FleetsDay me proporcionou muitos nudes de desconhecidos. Obrigada pelos mimos", destacou uma segunda. "Queria ver o Fleets do menino que eu gosto, mas ele não tem Twitter", lamentou um terceiro.

"Admiro todos [com] a coragem de postar foto de bunda no Fleets. Eu já tenho medo de mostrar minha cara aqui porque as pessoas são péssimas, imagina um nude", refletiu outra. "Eu tomando meu café hoje manhã assistindo os Fleets de ontem da galera peladona", brincou uma quinta.

O anúncio da remoção do Fleets foi feito há duas semanas, e a conta oficial do Twitter afirmou estar trabalhando em novas opções e melhorias para a rede social. Em resposta a uma seguidora, a página explicou que o objetivo da ferramenta não havia sido alcançado.

"Esperávamos que o Fleets encorajasse mais pessoas a participarem da conversa, mas não foi o caso. Portanto, estamos removendo-os e nos concentrando em melhorar outras partes do Twitter", escreveu na resposta.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem