Você viu?

Jogadores param partida de futebol para ver implosão de torres de energia

Feitas de concreto, elas tinham 117 metros de altura

Torres de resfriamento de usinas de energia são implodidas no Reino Unido
Torres de resfriamento de usinas de energia são implodidas no Reino Unido - Facebook/NowThis
São Paulo

A implosão de quatro enormes torres de usina de energia de 117 metros de altura não perturbou a partida de futebol de jogadores, em Staffordshire, no Reino Unido, no domingo (6).

Os times de Brereton Lion FC e Dormans FC fizeram apenas uma breve pausa na partida de futebol em um campo observando à distância a explosão controlada e a queda das torres, que causaram grande estrondo. Nuvens de poeira encheram o céu após a implosão, que demorou segundos.

Marco de 60 anos da antiga indústria do carvão, as torres da Central Elétrica de Rugeley, que eram feitas de concreto armado e costumavam resfriar até seis milhões de galões de água por hora.

As torres de resfriamento são as partes mais recentes da Central Elétrica de Rugeley a serem demolidas e abrem espaço para 2.300 novas casas de baixo carbono. A construção da Central Elétrica Rugeley 'B' a carvão começou em 1965, com a instalação concluída em 1972. Ela encerrou todas as operações em 8 de junho de 2016.

A polícia pediu à população local para ficar longe do local em Rugeley, Staffordshire, devido às restrições da Covid-19. Segundo oStaffordshire Live, mais de 10.000 pessoas teriam assistido a uma transmissão ao vivo da demolição no final da manhã, que foi a nona a ser organizada no local.

A ministra de Energia Anne-Marie Trevelyan disse o governo está comprometido em reconstruir de forma mais ecológica após a pandemia e o projeto de regeneração de baixo carbono da Engie. Segundi ela, é uma grande iniciativa que demonstra como as áreas industriais podem ser revitalizadas para fornecer uma vida sustentável

“Este redesenvolvimento inovador ajudará a dar um novo fôlego à comunidade local, proporcionando novos empregos, milhares de casas de baixo carbono e uma nova escola, ao mesmo tempo que apóia nossos ambiciosos compromissos climáticos", disse Trevelya.

O imponente marco representava um dos últimos elos da região com sua orgulhosa herança de mineração de carvão.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem