Viva Bem

Entenda a doença aracnoidite, que matou a atriz Mabel Calzolari aos 21 anos

Enfermidade é muito rara e tem causas diversas, diz neurologista

Mabel Calzolari
Mabel Calzolari - Instagram/ @mabelcalzolarii
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz Mabel Calzolari, conhecida pelo nome artístico de Maria Belén, morreu nesta terça-feira (22), aos 21 anos, vítima de uma doença rara chamada aracnoidite torácica. A atriz descobriu a enfermidade no segundo semestre de 2019, pouco tempo depois de dar à luz Nicolas, seu primeiro filho com o ator João Fernandes, o Tadeu de "Malhação: Toda Forma de Amar" (2019-2020).

A morte foi confirmada nas redes sociais da atriz pela mãe dela. "Minha filha amada. Venho aqui nas suas redes sociais me despedir de você, com uma foto que expressa muito bem quem você é. Seu sorriso, sua beleza, sua força, sua energia, seu carisma, todo seu amor estão aí. E não vão embora nunca. Você pode partir, pode ir para junto de Deus. Mas o que você inspirou e transformou estarão aqui para sempre."

Segundo o neurologista Rafael Paternò Castello, do Hospital Nove de Julho, a aracnoidite é a inflamação de uma membrana, chamada aracnoide, que recobre o cérebro, a medula espinhal e as raízes dos nervos. Essa inflamação, explica o médico, pode provocar sintomas debilitantes como fraqueza das pernas, dificuldade de andar e até levar a paralisia dos membros inferiores.

Aracnoidite torácica, como a da atriz, é o nome da localização em que aconteceu a inflamação, ou seja, na coluna torácica. "O importante é que uma pessoa com dor persistente nas costas que irradia para as pernas e que tenha dificuldade para caminhar e urinar, deve procurar imediatamente um hospital, porque há um dano neurológico, mesmo que não seja uma aracnoidite, condição muito rara", diz Castello.

Há diversas causas, algumas desconhecidas, que podem provocar a doença —infecções como a meningite ou uma doença degenerativa da coluna. No passado, de acordo com o neurologista, muitos dos casos eram relacionados a exames de contrastes à base de um óleo que não é mais utilizado para essa finalidade. "E praticamente não são feitos mais exames de contraste na coluna."

"Existem casos [da doença] descritos em pacientes que foram submetidos a anestesia epidural. Mas são raríssimos e é difícil estabelecer que haja uma relação [entre a anestesia e a doença]. E, mesmo que haja essa relação, é uma complicação raríssima que, provavelmente tem a ver com fatores próprios do indivíduo, e não do procedimento", diz. Ele acrescenta que o tratamento varia conforme a causa da doença.

No caso de Mabel, ela foi submetida a nove cirurgias e costumava falar sobre o seu tratamento nas redes sociais. Em janeiro, celebridades se uniram para divulgar uma vaquinha virtual com o intuito de ajudar no pagamento das despesas médicas da atriz.

Nascida na Argentina, Mabel veio para o Brasil aos seis anos. Ela começou a carreira artística ainda na infância como modelo. Na TV, ela fez algumas participações na novela "Orgulho e Paixão" (2018), da Globo.

"Hoje eu perdi minha vizinha, minha amiga, inspiração, namorada, noiva, ex, amiga, parceira e mãe do meu filho. E o mundo ganha mais um capítulo sobre a história da mulher mais sinistra que eu já vi. Obrigado por lutar tanto por nós, pela nossa família, por ter me escolhido e me dado o maior presente que existe no mundo", escreveu o ator João Fernandes em homenagem à atriz.

DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

Em vídeo publicado no Stories do Instagram, Monique Curi, que era próxima de Mabel, confirmou que os órgãos da atriz serão doados. Ela teve morte cerebral.

"Mabel vai doar os órgãos, a mãe dela, Silvinha, decidiu fazer isso. Maravilhoso", afirmou Monique. "A gente não tem ideia se demora um, dois ou quatro dias...Para fazer os exames, ver quais os órgãos estão aptos. Depois disso, vem o ritual da cremação, porque a Mabel será cremada", acrescentou ela.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem