Televisão

'Quanto Mais Vida, Melhor!' terá clipes musicais estrelados pelos protagonistas

Algumas canções serão inéditas, feitas especialmente para a novela

Neném (Vladimir Brichta), Paula (Giovanna Antonelli), Guilherme (Mateus Solano) e Flávia (Valentina Herszage) - Fabio Rocha/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

"Quanto Mais Vida, Melhor!", nova novela das sete da Globo, terá uma vez por semana uma performance musical estrelada pelos quatro protagonistas da trama: Guilherme (Mateus Solano), Paula Terrare (Giovanna Antonelli), Neném (Vladimir Brichta) e Flávia (Valentina Herszage).

A informação foi divulgada pelo diretor Allan Fiterman, em conversa com jornalistas nesta quinta (11). Segundo ele, a história é uma comédia romântica e, portanto, não foge do que é esperado para uma novela da faixa, mas também é muito musical. "A gente está querendo trazer novidades", diz.

Ele adiantou que algumas das canções apresentadas serão inéditas, feitas especialmente para a trama, que estreia no próximo dia 22. "Toda semana, tem uma surpresa de uma performance musical nova", adianta o diretor.

No enredo, os protagonistas vão sofrer um acidente aéreo. Os quatro vão morrer na ocasião. Porém, eles receberão da Morte (interpretada pela atriz A Maia) mais uma chance na Terra, sabendo que um deles irá de fato morrer dali a um ano, o que os faz ressignificar suas vidas.

A inspiração para os clipes musicais, conta Mauro Wilson, que estreia como autor titular, veio do filme "Magnólia" (2000), de Paul Thomas Anderson. Há um momento no longa em que os personagens cantam a mesma música, em cenários diferentes.

"Como os quatro têm uma conexão a partir do acidente, quase sempre eles estão na mesma vibe sentimental. Quando estão triste, os quatro estão tristes e, quando estão felizes, os quatro estão felizes. A música permeia os quatro. Não é algo que vem do nada. Ela [a música] faz parte da história", explica Wilson.

Como exemplos, há Flávia, papel de Valentina Herszage, que é uma dançarina de pole dance, e Guilherme, o médico arrogante e machista interpretado por Mateus Solano, que é apreciador de música clássica e toca piano. O ator, que estuda o instrumento há dois anos, toca piano de verdade em algumas das cenas do seu personagem.

EXPERIÊNCIA COM A MORTE

Mauro Wilson afirma que a ideia central de "Quanto Mais Vida, Melhor!" surgiu de uma experiência pessoal dele de quase morte. "Eu tinha 40 anos, me engasguei em casa e não conseguia respirar. Você engasgar sozinho é terrível, porque não tem ninguém para te ajudar", relata.

Diferentemente de outras pessoas que em experiências semelhantes afirmam rever tudo que já viveram até então, o autor conta que só conseguia pensar no futuro e em tudo que iria perder. Foi então que ele enxergou o ocorrido como uma segunda chance.

A partir disso, desenvolveu primeiramente a história de "Os Amadores", especial de fim de ano que a Globo exibiu em 2005, 2006 e 2007, e mostra quatro homens na casa dos 40 anos que morrem, mas ganham uma oportunidade de voltar à vida.

"A grande virada é que agora na novela, eles sabem que um dos quatros vai morrer em um ano. Isso criou entre os quatro essa ideia de que você tem que resolver a sua vida e fazer algo que você está devendo a você mesmo", diz.

Os protagonistas, prossegue ele, vão tentar consertar o que vinham fazendo de errado, mas vão entender que isso não será tão simples.

O médico Guilherme vai rever a forma como lida com a mulher e o filho adolescente. O ex-jogador de futebol Neném terá de deixar a boêmia de lado para conseguir voltar aos gramados e, assim, ganhar dinheiro para ajudar a família.

A empresária Paula precisa recuperar a sua empresa de cosméticos e também cultivar uma relação melhor com a filha. Já Flávia, que se envolve em um golpe e quase é presa antes de entrar no avião, terá de se desvencilhar das armações de Cora (Valentina Bandeira), que foi sua parceira no roubo.

"Quanto Mais Vida, Melhor!" estreia com praticamente todos os 161 capítulos já gravados. A trama se passa em um futuro pós-Covid e vai mostrar, inicialmente, os reflexos disso na vida dos personagens —o negócio de Paula, por exemplo, está em crise financeira por causa das consequências econômicas da pandemia, assim como o pai da Flávia perdeu o emprego pelo mesmo motivo.

"Emocionalmente a pandemia influenciou muito. Me fez repensar e dizer: vamos falar da vida. Acho que aumentou muito o afeto da novela, em todas as relações", conclui Wilson.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem