Televisão

Valentina Herszage faz pole dance para viver dançarina em novela: 'Alma livre'

Atriz se inspira em stripper vivida por Natalie Portman para 'Quanto Mais Vida, Melhor!'

Valentina Herszage como Flávia em 'Quanto Mais Vida, Melhor!'
Valentina Herszage como Flávia em 'Quanto Mais Vida, Melhor!' - João Miguel Júnior/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Valentina Herszage, 23, será a dançarina Flávia na novela "Quanto Mais Vida, Melhor!", próxima trama das 19h da Globo, com estreia programada para novembro. Na trama, a jovem trabalha na boate Pulp Fiction, mas aceita participar de um assalto com uma amiga.

"A Flávia é uma alma livre", define a atriz. "É uma jovem se arriscando e procurando o amor. Buscando seus sentidos na vida, querendo amar e se sentir amada."

Ela diz que usou como inspiração a personagem Alice, uma stripper vivida pela atriz Natalie Portman no filme "Closer" (2004). "[É] por conta de uma peruca rosa igual a dela que a Flávia usa quando vira a Pink, esse alter ego que ela assume quando ela está dançando no pole dance", explica.

Valentina Herszage como Flávia em 'Quando Mais Vida, Melhor!' - João Miguel Júnior/Globo

"Outra grande referência é a Rita Lee, inclusive na novela tem uma música que a Flávia canta chamada ‘Ambição’. Com a direção, entendemos que a música diz muito sobre ela, sobre esse caminho e novas descobertas que ela está percorrendo", diz

Ela diz que o maior desafio na composição da personagem foi "encontrar essa sensualidade, esse empoderamento e combinar isso tudo com uma fragilidade, uma humanidade". "Foi uma delícia descobrir todos esses lugares em mim", afirma.

Outra dificuldade foi aprender o pole dance, praticado pela personagem. "É muito difícil", garantiu. "É uma expressão artística, uma dança, mas você precisa de força e de técnica. Você precisa se sentir, se curtir na hora que está praticando."

"Isso foi uma das coisas mais bonitas que a Ju Natal, minha preparadora de pole dance, me transmitiu durante a preparação, que eu tenho que me curtir no pole dance, que tem que aproveitar o momento e curtir a dança", explicou. "Eu fiz 13 anos de jazz, mas, definitivamente, é muito diferente e eu amei fazer e quero continuar aprendendo e fazendo aula."

A atriz também vai cantar em cena, mas essa parte foi mais tranquila. "Eu amo cantar", conta. "Eu fiz 13 anos de uma escola que eu fazia dança, sapateado, canto, teatro e circo. E eu sempre me conectei muito com o teatro, claro, e muito com o canto, que sempre me acompanhou durante a minha vida."

"Eu vim da série ‘Hebe’, em que eu fazia a Hebe Camargo na fase jovem, quando ela era cantora", lembra. "Acabei de vir de um trabalho em que eu estudei música também, e aprendia as músicas da Carmem Miranda. Então, para mim, cantar é sempre uma bênção. É sempre presente."

Ela também comemora poder mostrar as relações familiares da personagem. "A relação da Flávia com seu pai, o Juca (Fabio Herford), é uma das coisas mais bonitas da história dela, porque existe muito afeto, muito amor e também um entendimento de que o pai vive circunscrito naquele casamento com a Odete (Luciana Paes)", adianta. "É um homem sem muita atitude de fato."

"A Flávia cresceu na noite, tendo que se virar, mas tem muito amor ali", garante. "E ela e a madrasta não se dão bem. Elas se bicam e tem tudo a ver com essa disputa afetiva pelo Juca."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem