Televisão

Marieta Severo e filha gravam depoimento sobre Daniella Perez para série documental

'Lindo podermos falar da Danny viva, feliz, alegre', diz diretora Tatiana Issa

Marieta Severo - João Miguel Júnior/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz Marieta Severo, 74, e sua filha Helena Buarque, 50, participam da série documental que a HBO Max prepara sobre o caso Daniella Perez, atriz assassinada aos 22 anos por Guilherme de Pádua e Paula Thomaz, então mulher dele.

No Instagram nesta terça (26), Tatiana Issa, diretora da produção ao lado de Guto Barra, publicou uma foto ao lado de Marieta e destacou que a atriz pode falar com propriedade sobre Daniella, que viu crescer ao lado de Helena.

"Lindo ver as fotos das duas pequenas, crescendo juntas, e podermos falar da Danny viva, feliz, alegre e sobretudo podermos sempre falar da força incomensurável da nossa Glória Perez, essa mãe leoa que enquanto estiver aqui irá lutar por essa filha tão amada", escreveu.

A escritora Glória Perez, mãe da atriz assassinada e autora da novela "De Corpo e Alma", em que Daniella e Pádua atuavam como par romântico, também participa da produção com longo depoimento sobre o caso.

"Obrigada, Marieta Severo e Helena Buarque, queridas, por estarem conosco nessa empreitada por justiça, pelos lindos depoimentos e também por me receberem novamente numa casa onde fui sempre tão feliz", concluiu Tatiana Issa.

A HBO ainda não tem data prevista para a estreia. O crime aconteceu em 28 de dezembro de 1992. Na manhã seguinte, até que a identidade do assassino fosse confirmada, Pádua, já como suspeito, foi ao encontro de Glória Perez, como outros atores do elenco de "De Corpo e Alma", para consolar a autora.

Os colegas da trama, incrédulos da suspeita sobre ele, chegaram a defendê-lo, mas o dia não terminaria sem que a polícia confirmasse a autoria do homicídio, cometido a golpes de tesoura pelo ex-ator, sob cumplicidade de Paula Thomaz.

Ele foi condenado a 19 anos de prisão e ela, a 18, mas ambos deixaram a cadeia em 1999. O caso chocou o país e entrou para a história dos crimes mais famosos da história dos homicídios no Brasil, pelos requintes de crueldade e pela parceria entre os atores em uma telenovela criada pela mãe da vítima, um roteiro que soaria falso para qualquer obra de ficção.​

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem