Televisão

Mariana Santos afirma que 'Pega Pega' lhe ensinou a dosar drama e humor

Atriz fez sua estreia em novelas na trama, que será reprisada na Globo

Maria Pia (Mariana Santos) e Malagueta ( Marcelo Serrado)

Maria Pia (Mariana Santos) e Malagueta ( Marcelo Serrado) Globo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Mariana Santos, 44, já era conhecida do público por seus trabalhos como humorista na TV e também por suas participações no programa Amor e Sexo (Globo, 2009-2018), quando surgiu a oportunidade de encarar uma novela.

"São esses convites que aparecem, que mudam a sua vida internamente e dão um novo gás", lembra. Assim, em junho de 2017, às vésperas de completar 41 anos, ela fez sua estreia no formato como Maria Pia, a vilã com pitadas de humor de "Pega Pega", trama que será reprisada na Globo a partir de segunda-feira (19), substituindo "Salve-se Quem Puder".

"Quando comecei a ler o texto, me apaixonei pelo papel de cara. Lembro que ela tinha que parecer mais 'cheinha' do que eu, e na prova de figurino a gente botou enchimento, mudou o cabelo e já começou a vir a personagem."

Ao lado de Marcelo Serrado, intérprete de Malagueta, a atriz formou um dos casais mais improváveis e queridos da trama escrita por Claudia Souto. Nas redes sociais, o público torceu para que eles ficassem juntos com a hashtag #Malapia.

Mariana recorda que já na primeira cena gravada com Serrado percebeu que eles teriam um bom entrosamento cênico. "Porque química tem ou não tem. Eu lembro que a minha personagem olhava para ele, e nesse olhar eu falei: nossa, tem jogo aqui."

"Você sente quando vai desenvolver um jogo de cena com o seu parceiro quando ele entendeu a sua piada interna, sem falar, e você entendeu o tempo dele. A química aconteceu."

Na história, Maria Pia nutre uma paixão platônica por Eric (Mateus Solano), que a vê como amiga. Rica, ela desconta suas frustrações na comida e destratando funcionários.

Após flagrar a fuga dos ladrões do hotel de luxo Carioca Palace, trama central da novela, ela começa a chantagear Malagueta e os dois acabam virando cúmplices das armações para separar Eric e Luiza (Camila Queiroz).

"As pessoas começaram a gostar do casal, que nem era um casal na verdade, eram dois coitados", diz, aos risos. "O povo gosta dessas coisas difíceis, né, mas tem que ter a química", reforça.

A parceria entre os atores será retomada em "Cara e Coragem", novela da faixa das 19h também assinada por Claudia Souto prevista para 2022 —após a inédita "Quanto Mais Vida Melhor", programada para ir ao ar ainda neste ano.

Mariana diz ainda saber pouco da personagem, que se chama Rebeca. Desta vez, ela será ex-mulher de Serrado. "Será uma relação completamente diferente."

Sobre "Pega Pega", ela afirma ter sido um grande aprendizado. "Foi uma personagem com que eu pude dosar o drama e o humor." Além disso, o trabalho lhe abriu outras oportunidades artísticas. Depois de Maria Pia, ela interpretou Carla em "Malhação: Toda Forma de Amar", de 2019 até abril de 2020, quando tudo parou por causa da pandemia.

Desde então, a atriz segue reclusa com o marido e o enteado, cumprindo o isolamento social. "Eu segui realmente o que é para fazer. Já que eu tenho o privilégio de poder estar em casa, vou seguir o meu papel, e tudo bem."

Ela só interrompeu o recesso quando foi chamada para participar do Super Dança dos Famosos. E conta que, inicialmente, levou um choque com o convite —embora tenha sido emocionante participar do torneiro em 2015, quando ficou em terceiro lugar, lembrava que os ensaios eram exaustivos.

Pensou em não topar, mas soube que o número de apresentações seria menor e não precisaria viajar para o Rio. Topou e não se arrepende. "Foi um momento de respiro. Foi muito bom."

Mesmo tendo sido eliminada na repescagem no mês passado, ela afirma que se sentiu orgulhosa de suas apresentações. "Eu estava mais preparada fisicamente e emocionalmente, estava mais segura."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas