Viva Bem

Médico diz que cirurgia para aumentar pênis traz mais riscos do que benefícios

Faloplastia ficou mais conhecida após sertanejo anunciar que fez a cirurgia

Sertanejo Tiago, que faz dupla com Hugo
Sertanejo Tiago, que faz dupla com Hugo - Instagram/@tiago.hugoetiago
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O cantor Tiago, da dupla sertaneja com Hugo, se submeteu a uma faloplastia, cirurgia plástica para aumento peniano, há cerca de uma semana. O artista disse que fez a plástica no órgão para atender a “uma satisfação pessoal e estética”.

O urologista e sexólogo Danilo Galante Moreno, do Hospital São Luiz Itaim, explica que a faloplastia consiste em cortar um ligamento que conecta o pênis ao púbis, que mantém o órgão para cima quando está ereto.

Moreno diz que uma complicação imediata de fazer o corte é que o pênis cai. “Ele fica duro, mas você perde essa capacidade de manter ele ‘olhando’ para cima quando está com ereção.”

Segundo o médico, esteticamente o pênis parece maior após a faloplastia, mas ele aumenta no máximo dois centímetros. Na avaliação de Moreno, não é uma cirurgia que traz ganhos porque o órgão continua quase do mesmo tamanho.

“A gente está falando de uma cirurgia que você está praticamente tratando a cabeça da pessoa e não o pênis. Pacientes muito preocupados com isso, quando [a faloplastia] dá errado, piram de vez”, afirma.

A faloplastia não se resume apenas em aumentar o tamanho do órgão genital masculino. Moreno afirma que muitas pessoas procuram o procedimento cirúrgico para engrossar o membro.

Umas das opções para aumentar o diâmetro do pênis é a injeção de gordura, retirada do próprio paciente, no órgão. “O que a gente sabe é que 70% dessa gordura é reabsorvida pelo [corpo] em alguns meses e ele perde o resultado”, diz.

Outras alternativas são as substâncias sintéticas, como ácido hialurônico, muito utilizado para aumentar lábios, e o PMMA (polimetilmetacrilato), o mesmo usado por Andressa Urach, que teve problemas e foi obrigada a retirar.

“Esse [PMMA] é problemático porque não é fácil modelar o pênis com ele. Tem [risco de] rejeição, infecção e, se o paciente não gostar do resultado cirúrgico, tirar isso é quase impossível”, conta.

Moreno alerta que não é possível aumentar o tamanho da cabeça do pênis, chamada de glande, e isso muitas vezes não é falado para o paciente.

“Você pode fazer o que você quiser que não vai conseguir aumentar o tamanho da glande. Se você engrossar o pênis sem moldar a glande fica uma coisa esquisitíssima."

O urologista afirma que nunca fez a faloplastia, que é considerada experimental e sem evidências científicas pela SBU (Sociedade Brasileira de Urologia) e a AUA (Sociedade Americana de Urologia).

“Nunca fiz [a cirurgia de aumento peniano], mas já vi complicações dela. Pessoas que fizeram me procuraram para tirar o PMMA, com infecção de pele e com dor crônica”, lembra.

O médico diz que não indicaria esse tipo de cirurgia para quem não tem um pênis micro, órgão sexual com menos de quatro centímetros. “O custo-benefício não vale a pena, os riscos são maiores do que as vantagens para quem ganha dois centímetros ou engrossa o pênis”.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem