Televisão

Ex-professor de Viviane Araújo diz que se sentiu 'um lixo' ao ser trocado

Rodrigo Oliveira substituiu Adeilton Ribeiro no Super Dança dos Famosos

Viviane Araújo e Adeilton Ribeiro - Maurício Fidalgo/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A troca de professores de Viviane Araújo no Super Dança dos Famosos (Globo) está dando o que falar. A atriz estreou no quadro ao lado de Adeilton Ribeiro, mas foi eliminada por Paolla Oliveira. Na repescagem, ela voltou com outro professor, Rodrigo Oliveira, e passou para a próxima fase.

Contudo, a troca vinha sendo questionada nas redes sociais por fãs, que especulavam se Viviane havia pedido para dançar com outro parceiro. Agora, Adeilton abriu o jogo e, em um longo desabafo no Instagram, deu seu lado da história.

Ele disse que foi tratado com "muito desprezo" pela direção do programa, que o teria avisado da saída do programa por telefone alguns dias após dançar pela primeira vez com a parceira. A justificativa seria que Viviane estava insatisfeita, embora ela tivesse lhe elogiado dias antes, o que o deixou "traumatizado" e se sentindo "um lixo". Procurada pelo F5, a Globo não se manifestou até a última atualização deste texto.

Adeilton começa seu relato dizendo ter sido chamado para o quadro por causa de seus méritos. "Fui aprovado por competência, pelo trabalho que apresentei e, aí, eles me contrataram", contou. "Fui escolhido para dançar com a Viviane Araújo e nós não tivemos problemas nos ensaios. Não vou ser agora sensacionalista e dizer que teve alguma coisa."

"No ensaio geral a gente já sabia que o Arthur Aguiar não ia fazer porque ele tinha se contundido", continuou. "Então ia ser a disputa eu e Viviane, a Paolla e o Leandro [Azevedo]. Quando a gente foi fazer a passagem no palco, a Viviane ficou um pouco nervosa, e as coisas não aconteceram da maneira como deveria acontecer..."

"Só que eu aprendi uma coisa: generosidade!", afirmou. "A gente era uma equipe, o que não foi bom para ela, também não seria bom para mim. Eu fui um cara muito foda com ela nos ensaios, eu fui educado a ser assim. Eu cuidei da Viviane em todos os momentos, não tive briga, não tive nada."

Foi então que, segundo o profissional, o diretor da atração pediu para que a coreografia fosse mudada. "Beleza, eu cheguei para a Viviane e falei: 'A gente vai ter que mudar as pegadas'. Óbvio que eu não desobedeceria à produção. A gente tem que ouvir a direção, o quadro não é meu."

Porém, o desempenho da dupla foi abaixo do esperado, o que fez os telespectadores estranharem. "Passou um dia, eu liguei para a minha parceira, ela estava meio machucada, eu também estava, porque é bem exaustivo, é muita coisa", relatou.

"No outro dia, recebo um bombardeio de mensagens de que minha parceira estava insatisfeita, mexendo os pauzinhos para retirar o professor atual, que seria eu, para colocar um outro parceiro", disse. "Eu liguei para a Viviane, conversei com ela."

"Eu disse: 'Vivi aconteceu alguma coisa? Porque se aconteceu, com quem você deve conversar é comigo. Se você tiver insatisfeita, eu até prefiro [pedir] para sair, que seria muito mais legal do que eu tá nesse envolvimento com uma pessoa que não está satisfeita'. Mas ela super me elogiou, sempre me elogiou: 'Ah, você é um bailarino incrível'."

Adeilton contou que também ligou para a Globo para saber se estava tudo bem e ouviu da produção que não precisava se preocupar. "Eles falaram que eram apenas sites de fofocas e que eu não precisaria ligar para isso", afirmou.

Porém, alguns dias depois a versão mudou. "Eles ligaram e comunicaram que eu estava desligado porque minha parceira estava insatisfeita", contou.

O professor disse que se sentiu incrédulo e culpado, além de decepcionado porque o quadro era a realização de um sonho profissional. "Entrei num estado de tristeza muito profunda, fiquei uns três dias muito preso em casa, sem querer fazer nada, me sentindo um lixo", afirmou. "É uma situação que às vezes a gente não consegue ser forte."

Ele disse ter ficado abalado com o acontecimento. "Causou traumas na minha cabeça, [tanto] que hoje gosto de falar muito pouco desse acontecimento", encerrou. "Eu acho que nenhum ser humano deve ser tratado da forma que foi, eles me trataram com muito desprezo."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem