Televisão

Copa América dobra audiência do SBT, mas ibope do torneio fica longe do menor índice na Globo

Emissora paulista alcança média de 13 pontos com jogos das seleções

Téo Jose é a voz da Copa América no SBT - Instagram/teojose1
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Os jogos da Copa América, que termina hoje com a grande final entre Brasil e Argentina, renderam ao SBT uma média de 13 pontos de audiência, o que representa o dobro do ibope que a emissora paulista tinha no horário antes. Por outro lado, os números ficam longe até mesmo do menor índice que a Copa América já atingiu na Globo: 20 pontos de audiência, em 2011.

Naquele ano, a seleção brasileira foi eliminada nas quartas de final pelo Paraguai. Já nas edições de 2015, 2016 e 2019, a audiência das transmissões da Globo das partidas do Brasil ficaram na casa dos 24, 21 e 35 pontos, respectivamente.

De acordo com números consolidados do Kantar Ibope na Grande SP, onde cada ponto equivale a cerca de 76,5 mil domicílios, a maior audiência da edição de 2021 no SBT foi de 15 pontos, na semifinal contra o Peru, dia 5 de julho.

Apesar de, na Grande São Paulo, os números não terem sido suficientes para tirar a primeira colocação da rival Globo, em praças como Manaus, Goiânia, Recife e Fortaleza o SBT conseguiu esse feito em algumas oportunidades, por alguns minutos, como na estreia, em 13 de junho, e contra a Colômbia.

Os jogos analisados foram os apresentados pela emissora: contra Venezuela, Peru, Colômbia, Equador, Chile, Peru mais uma vez e a partida entre Argentina e Equador pelas quartas.

Se a programação da emissora de Silvio Santos neste ano teve seu ibope alavancado pelo torneio de futebol, a visibilidade da própria Copa América caiu, quando analisado o quadro da TV aberta. Houve uma queda de cerca de 63% da audiência na nova casa em comparação com a edição de 2019, por exemplo.

Neste cenário de 2021, segundo levantamento solicitado pelo F5, o SBT só chegou perto da Globo durante transmissões de jogos da Copa América aos domingos, sempre na média consolidada geral.

As partidas jogadas pela seleção de Tite contra a Venezuela, em 13 de junho, e Equador, no dia 27, foram as que mais se aproximaram do índice do canal carioca. Respectivamente, os confrontos de audiência foram de 14 x 16 pontos e de 11 x 15 pontos. E, justamente nessas duas datas, o SBT encarou novidades na programação global.

No primeiro domingo (13), Tiago Leifert fazia sua estreia no comando do Domingão —naquele dia, Fausto Silva se recuperava de uma infecção urinária e deixava de apresentar a atração após 32 anos.

No dia 27, Leifert já estava consolidado no programa, que passou a se chamar Super Dança dos Famosos após o anúncio da saída antecipada de Faustão do ar.

E quando os jogos foram disputados à noite, a novela “Império” (Globo) ganhou com mais de dez pontos de vantagem em todos os confrontos no consolidado.

Nos embates SBT x Record, porém, os jogos de futebol levaram a emissora de Silvio Santos a vencer de lavada, garantindo a vice-liderança com sobras. Foi apenas na partida entre Argentina e Colômbia, em 3 de julho, que a Record arriscou uma aproximação ao marcar 5 pontos de audiência, ante os 6 pontos do SBT. Nos outros, a vitória do SBT veio com pelo menos 2 pontos de diferença.

A final da Copa América entre Brasil e Argentina está marcada para sábado (10), às 21h. O SBT também já anunciou a compra dos direitos de transmissão da Liga dos Campeões até o ano de 2024, em mais uma vitória contra a Globo. As exibições começam em agosto.

BALANÇO POSITIVO

De acordo com o narrador oficial do canal, Téo José, 57, o balanço das transmissões no que diz respeito a audiência está “altamente positivo”. “Os números que o SBT esperava foram todos superados. O balanço é positivo se analisar o pouco tempo de preparação e a mudança de sede em cima da hora. Estamos felizes”, diz ele, lembrando que a competição, inicialmente, seria realizada na Argentina e na Colômbia.

Para o locutor, a audiência motiva. “Quando entro para fazer qualquer evento, eu quero sempre a maior audiência. Sei que a emissora tem uma base de ibope, mas eu quero mais ainda”, afirma Téo, que também narra os jogos da Libertadores no SBT.

“A volta da seleção ao SBT nos deixa felizes, mas trata-se da volta do futebol de maneira geral ao canal. Me sinto honrado e gratificado. E, pelos índices alcançados, estou com muito orgulho”, reforça Téo José.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem