Televisão

Record aposta em reprise da fraca 'Apocalipse' para substituir 'Amor Sem Igual'

Novela teve audiência ruim, mas pode dialogar com momento atual

Cena da novela 'Apocalipse'
Cena da novela 'Apocalipse' - Munir Chatack/TV Record
São Paulo

Com a pandemia do novo coronavírus e a pausa nas gravações da dramaturgia, as emissoras têm apostado em reprisar novelas antigas. Depois da Globo, a Record vai exibir "Apocalipse" (2017-2018), em versão resumida, a partir desta terça-feria (21), no mesmo horário de "Amor Sem Igual", que para nesta segunda-feira (20) sem prazo de retorno.

Intérprete da vilã Ariela, Leona Cavalli, 50, afirma que foi oportuna a escolha da Record em reprisar "Apocalipse". "Não estamos vivendo nada tão fatalista como a trama, mas passamos pelo fim de um mundo. Se a quarentena acabar amanhã, todos nós já sairíamos diferentes dela."

"A trama fala muito de revelações e estamos passando por momentos assim. Estamos passando por uma revisão geral das nossas vidas", diz a atriz, que também pode ser vista na reprise de "Totalmente Demais", na Globo.

A escolha da Record é curiosa já que a trama de Vivian de Oliveira tem fraco desempenho de audiência e foi encurtada. Ter audiência não deve ser a intenção da emissora com a reprise dessa novela, afirma Claudino Mayer, doutor em comunicação da Universidade de São Paulo (USP). "Acredito que a escolha pode estar baseada em criar uma discussão sobre o tema, provocar reflexão sobre a fé, sobre o comportamento da humanidade em meio a crise do coronavírus."

"Mas a escolha vai na contramão das outras emissoras, que apostam em tramas leves. 'Apocalipse' já começa com um tsunami, tem cenas relacionadas ao ataque de 11 de Setembro. É bem pesado para o momento", completa.

A novela terminou com média de audiência de 10 pontos na Grande São Paulo sem atingir a meta esperada pela emissora, que era de pelo menos 15 pontos. Na época, cada ponto no Kantar Ibope equivalia a 201.061 espectadores. "A expectativa era que ela tivesse o mesmo sucesso de ‘Os Dez Mandamentos’, e isso não aconteceu”, lembra Mayer. A trama bíblica fechou com média de 16 pontos.

Ao longo de sua curta trajetória, a trama sofreu alguns revezes. A autora, Vivian de Oliveira, que hoje não trabalha mais para a Record, teve de fazer mudanças no roteiro a pedido de Cristina Cardoso, filha de Edir Macedo, dono da emissora. Passou a ser comum que diálogos fossem refeitos no set, sem consulta prévia à autora oficial, que em determinado momento adoeceu, atrasando seu trabalho, e foi afastada.

"Apocalipse" foi encurtada para apenas 60 capítulos. A sua antecessora “Dez Mandamentos”, que teve bom desempenho de audiência, teve mais de 240 episódios. "Ficou clara a mudança na qualidade da novela quando a Record passou a terceirizar a produção. A Vivian só teve novelas de sucesso em seu currículo, mas ela não tinha mais autonomia para escrever", avalia Mayer.

Procurada pela reportagem, Vivian de Oliveira não se manifestou até a publicação deste texto.

RELEMBRE A TRAMA

Primeiro ato do apocalipse propriamente dito é quando Deus leva para os céus as pessoas que acreditam nele de verdade e todas as crianças de até 12 anos. Há uma Terceira Guerra Mundial e focos de fome e pestes ao redor do planeta. Os primeiros capítulos, mostraram um tsunami devastando um resort na Indonésia e seguiu com cenas de carros se chocando nas ruas e caos nas cidades.

Todo o caos promoverá mortes e a humanidade ficará perdida com o sumiço de pessoas queridas e com o surgimento de teorias da conspiração e seitas oportunistas. Quem sobrevive, é pego por arrependimentos por seus maus atos. Ateus lutam para ter alguma resposta sobre o ocorrido.

No meio disso, o Anticristo aparece na figura do personagem Ricardo Montana (Sergio Marone). Ele tira proveito da carência humana para começar o plano de conquistar o mundo. A saída dos atores fará parte do arrebatamento, evento bíblico que diz que as pessoas de bem partirão para o céu sete anos antes do fim do mundo, dando a chance dos remanescentes se arrependerem.

O Anticristo conta um falso profeta para dominar o mundo. O sacerdote Stefano Nicolazi (Flávio Galvão) será um dos responsáveis por transmitir ao mundo a falsa imagem de que Montana é um salvador. O grande vilão atua até na destruição de romances, e vai tentar separar o casal Zoe (Juliana Knust) e Benjamin (Igor Rickli).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem