Televisão

Everaldo Marques diz que estar na Globo amplia seu tempo com a família e era sonho de criança

'Algumas pessoas diziam que eu iria ser podado e isso não existe', diz locutor

Everaldo Marques durante o SuperBowl - Instagram/everaldomarques1
São Paulo

Principal voz das transmissões da NFL (liga de futebol americano) e da NBA (liga de basquete americano) da ESPN, Everaldo Marques, 41, trocou o canal por assinatura pelo Grupo Globo após a final da NFL, em fevereiro passado.

Foram 14 anos no canal e, segundo o locutor esportivo, a mudança foi em busca de uma melhor qualidade de vida e da realização de um sonho de criança, por narrar na maior rede de comunicação do país. "Ela [a Globo] tem o maior e mais variado portfólio de eventos esportivos. Minha perspectiva aumenta. Fiz a troca para poder trabalhar em um ritmo que eu tenha melhores horários para ficar com a família."

O jornalista diz que ainda não foi designado para uma modalidade específica, mas que está aberto a todas e realizando pilotos para muitos, inclucive para o futebol. A primeira transmissão dele foi em uma partida da NBA entre Los Angeles Lakers e Philadelphia 76ers no dia 3 de março.

Ele também narrou a partida entre Sesc-RJ e Minas pelo vôlei feminino pelo SporTV 2, que foi líder de audiência no horário da transmissão, das 21h30 às 23h24, em 6 de março, entre os canais da TV paga. E engana-se quem pensa que estreias já não dão mais aquele friozinho na barriga do experiente narrador.

"[Na estreia] Tinha tensão extra, sim, porque é um ambiente diferente com outras pessoas na cabine. Tenho que me acostumar com a estrutura que é nova. Mas na hora em que a bola rola é igual, preparação igual. Eu me senti super à vontade", diz Marques.

"Algumas pessoas diziam que agora que estava na Globo eu iria ser podado e isso não existe. Não farei nada diferente", completa o locutor, que era especialista na cobertura do futebol americano –único esporte que a Globo não tem os direitos de transmissão.

Na ESPN, Marques era quem mais narrava NFL, e Rômulo Mendonça, a NBA. "Era uma decisão da casa e eu respeitava." Foram muitos anos indo até os Estados Unidos em fevereiro para cobrir o principal evento da modalidade e um do principais do mundo, o Super Bowl. As narrações dele na modalidade, aliadas ao bordão de chamar um jogador muito bom de "ridículo", trouxeram muita popularidade a Everaldo Marques.

Uma passagem interessante sobre o bordão incomum aconteceu no intervalo da final do Super Bowl, em 2017. O show do intervalo, um dos mais aguardados, foi realizado por Lady Gaga. Com boa performance, ela levou o público ao delírio, e Everaldo Marques disse a seguinte frase: "Lady Gaga, você é ridícula!" A declaração do locutor esportivo causou alvoroço nas redes sociais, principalmente dos fãs brasileiros da cantora, que a consideraram ofensiva. E Marques teve que se explicar.

Analisando a nova perspectiva, Marques afirma que sentirá saudades de narrar o esporte, mas que "não vou sentir falta como fã porque continuarei acompanhando a liga de futebol americano". "Sentirei saudade de narrar esse esporte como profissional. Foi nele que deixei a minha marca e contribuí nesses 14 anos. Talvez bata uma saudade quando a temporada começar, mas sei que eu já fiz muita coisa”, afirma.

Agora, na Globo, o locutor poderá trabalhar em sua quarta Olimpíada, algo que também mexe com seu coração. Ele já trabalhou em Pequim (2008), Londres (2012) e Rio de Janeiro (2016). Se não houver alteração em decorrência da pandemia do coronavírus, os jogos devem acontecer no final de julho, em Tóquio.

"Vou ajudar, mas não vou ao Japão. Já participei de coberturas e é espetacular. Imagine 40 campeonatos mundiais acontecendo simultaneamente de muitos esportes. É um evento até maior do que a Copa do Mundo", define.

Everaldo Marques afirma que está em um grande momento de sua vida. Jovem, ele crê que ainda terá muito tempo para crescer. "Não penso em metas, vivo dia após dia. Realizo meu sonho de infância que é narrar. Tenho objetivos e sonhos em todos os meus momentos e vou trabalhar para alcançar cada um."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem