Televisão

Nicola Siri retoma à Globo como misterioso dono de oficina mecânica em 'Éramos Seis'

'Ele é meio malandro, tem negócios não muito certos,' afirma o ator

Nicola Siri é Osório em 'Éramos Seis'
Nicola Siri é Osório em 'Éramos Seis' - Instagram/Nicola Siri
São Paulo

O ator italiano Nicola Siri, 51, está de volta à Globo, desta vez como Osório, dono de uma oficina mecânica em "Éramos Seis" (Globo). Na trama da faixa das seis, é ele quem dá uma chance para Alfredo (Nicolas Prattes), o filho problema de Lola (Gloria Pires), começar a trabalhar depois da morte de Júlio (Antonio Calloni). 

Embora, como diz o ator, o personagem pareça um "cara simpático e gente boa", ele guarda muitos segredos. "Não posso adiantar muito, mas ele é meio malandro, tem negócios não muito certos, que vão ser apresentados aos poucos. O Osório é muito misterioso."

Apesar de o último trabalho de Siri na Globo ter sido há dois anos, na série "Os Dias Eram Assim" (Globo), o ator conta que as pessoas comentam empolgadas com ele sobre o seu retorno à emissora carioca. "E claro sempre falam do padre Pedro", relata em referência ao papel que ele interpretou na novela "Mulheres Apaixonadas" (Globo, 2003), e que o alçou ao reconhecimento do grande público. 

"Acho que é um personagem que nunca nunca vai ser esquecido. Diariamente me chamam de padre Pedro", diz. Na história escrita por Manoel Carlos, o sacerdote causou furor ao se apaixonar por Estela, papel interpretado por Lavínia Vlasak. Siri lembra que foi chamado para fazer a novela apenas sete dias depois de chegar ao Brasil. 

Agora, em sua volta à Globo, ele diz estar muito feliz por fazer parte de uma trama que está na memória afetiva das pessoas e reencontrar colegas, como Gloria Pires e Camila Amado (a tia Candoca). Ele também conta que conhecia Nicolas Prattes, já que os dois costumam jogar bola juntos. Siri é apaixonado por futebol e atua como primeiro volante, já Prattes é atacante. "Nicolas é super gente boa, um ótimo profissional, muito esforçado, que vai ter uma carreira brilhante."

PADRE NOVAMENTE

Dezessete anos depois de viver o padre Pedro, Nicola Siri conta que vai interpretar novamente um sacerdote. Desta vez, na série "Colônia", do canal Brasil, que deve estrear no primeiro semestre deste ano. Na produção, o ator vai dar vida ao padre João. 

A história fala do drama real dos pacientes internados no Hospital Colônia de Barbacena (MG), o maior hospício do Brasil, onde 60 mil pessoas morreram vítimas de eletrochoques e todo tipo de maus tratos, como relatado no livro "Holocausto Brasileiro", da jornalista Daniela Arbex. 

Segundo Siri, o João é um sacerdote bem diferente de Pedro. "É o clássico padre que sabe que tem um hospital do lado da igreja, mas ele finge que não vê as atrocidades que são cometidas ali". Na primeira temporada, ele conta que a sua participação é pequena, mas será maior na segunda.

Além de "Colônia", ele também está na série "Chuteira Preta", disponível na Amazon Prime, e que mostra os bastidores do futebol. O ator prepara ainda a tradução de um monólogo italiano. "Ainda não posso dar detalhes, mas é uma peça de um grande autor italiano, mas que na versão em português possui erros absurdos, então, estou fazendo uma nova tradução", conta. 

 
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem