Televisão

Nathalia Arcuri chega à Band com a missão de tirar brasileiros da dívida com leveza e humor

3.000 pessoas se inscreveram para receber ajuda do reality financeiro

A especialista em finanças pessoais e empreendedora Nathalia Arcuri - Ricardo Carvalheiro/Endemol Shin
Fabiana Schiavon
São Paulo

“O entretenimento é a vaselina da educação”, brinca a jornalista Nathalia Arcuri para definir o sucesso de seu canal de educação financeira “Me Poupe!”, no YouTube. Com seu bom humor e criatividade, a idealizadora do formato, que já transformou diversos endividados em investidores na internet, ganha um reality show na Band, que estreia nesta segunda-feira (30), às 22h45.

Em Me Poupe, Dívidas Nunca Mais!, Arcuri vai ajudar uma família por semana em 12 episódios. O programa recebeu 3.000 inscrições que pediam um longo questionário sobre porquê elas deveriam ser ajudadas pela jornalista. “Temos de tudo, gente que está desempregada e que ganha R$ 30 mil por mês e aquelas que não fazem ideia do tamanho da dívida que tem”, conta Arcuri. Ela cita um participante que fez uma conta próxima de R$ 120 mil, enquanto ele devia quase R$ 500 mil. 

Em seu canal no YouTube, ela já fez um teste com dois personagens. Bruna Andrioto cumpriu a missão de pagar R$ 70 mil em dívidas em 4 semanas. E Natália Veronez que devia R$ 30 mil só para os parentes também chegou a um acordo com todos eles. No programa de TV, a produção acompanhou os inscritos por um mês para conseguir encontrar uma solução para tirar o endividado do buraco.

Para tirar os pés do inscrito da lama, Arcuri vai fundo nos estudos e usa teorias de finanças comportamentais, psicologia econômica e programação neurolinguística. “A questão financeira é só a consequência de um problema maior. A origem costuma estar no descontrole alimentar, ou no gasto com roupas —uma das maiores causas de inadimplência em cartão de crédito— e, ainda, as pessoas são muito desorganizadas. Elas pagam contas atrasadas com juros, esquecem de pagar o cartão de crédito que têm juros altíssimos”, avalia a jornalista, com base em sua experiência com seus seguidores no YouTube. 

A jornalista que poupou 70% de seu salário nos primeiros anos de emprego —e assim chegou ao seu primeiro R$ 1 milhão— pega pesado com os participantes. Como não há ajuda financeira envolvida, é preciso que as pessoas produzam renda extra, fazendo trabalhos ou vendendo roupas ou sapatos e tem todos os seus gastos controlados pela produção do programa. “Não damos prêmio porque queremos que o público se sinta no lugar daquela pessoa. Não tem ajuda nenhuma, nem cachê. Elas ganham de presente uma vida financeira nova”, explica Arcuri.

Toda essa reforma financeira é feita com ajuda de sua equipe, como Edson Leite, criador do projeto Gastronomia Periférica. “Vocês precisam ver o que ele faz com apenas R$ 20”, afirma Arcuri. Há ainda as consultoras  Carol Caliman e Carlinha Catap (consultoras de estilo) e Cora Fernandes (Personal Organizer) que ajudam os participantes a se livrar do que está sobrando em casa e fazer dinheiro com esses objetos e roupas. “Sair do estado de dívidas para de investidor é uma questão de comportamento. Não é saber fazer planilha ou saber lidas com números”, afirma Arcuri.

Mesmo com personagens em situação financeira bem complexa, Arcuri diz que ainda falará sobre investimento, já que é uma lenda, para ela, que endividados não possam poupar. “A questão de investimento é usada para mudar a chave da cabeça da pessoa. Quando eu só falo de dívida, elas só pensam em dívida. Na trajetória do Me Poupe!, muitas vezes, a pessoa começa a endividada e por ter acesso a mais informação, ele se transforma em investidor, porque essa acaba sendo a meta”, explica a jornalista. 

Além do participante selecionado, o programa terá quadros de educação financeira e selecionará dúvidas enviadas ao canal do YouTube Me Poupe! Uma das criações inéditas é o “Trago o Seu Dinheiro de Volta”. “Monto um banquinha na paulista com uma bola de cristal, que não lê nada obviamente, e vejo o futuro da pessoa pelo seu extrato bancário. Dali consigo ver se ela será um endividado nos próximos meses”, conta Arcuri.

Arcuri afirma que entende a crise que o país passa, mas crê que uma mudança de pensamento pode revolucionar muitas famílias. “O brasileiro passa muita dificuldade sim, mas também é muito acomodado, porque recebo perguntas todos os dias de conteúdos que já foram tratados nos meus vídeos”, reclama a especialista. 

DA INTERNET PARA A TV ABERTA

Desde 2012, Nathalia Arcuri tenta emplacar o reality financeiro na TV aberta. Ela começou o portal quando percebeu que poderia ajudar muita gente se conseguisse traduzir o difícil linguajar do mercado financeiro. E deu certo. Com vídeos didáticos e dicas práticas, ela se tornou referência no assunto.  “Quando a ouvi dizendo que ela começou esse trabalho por saber que 70% das mulheres que sofrem violência doméstica não conseguem sair dessa situação por não ter independência financeira, quisemos abraçar essa causa”, afirma Juliana Algañaraz, CEO da Endemol Shine Brasil.  

Na internet, o Me Poupe! é o maior canal de finanças do mundo do YouTube, com 4 milhões de assinantes, segundo Arcuri. A jornalista também já lançou o livro “Me Poupe! 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso”, mas, mesmo assim, ela queria chegar a quem não tem acesso tão fácil à internet, e conseguiu que a Endemol Shine Brasil (a mesma do MasterChef e Big Brother Brasil) entendesse seus objetivos. 

“O Brasil ainda precisa da TV aberta, que atinge 90% dos lares do Brasil entre 200 milhões de pessoas. Então, o grande desafio aqui é transformar uma linguagem digital em televisa que alcance todo o país de Oiapoque ao Chuí”, afirma Algañaraz. 

A promessa de sucesso é tanta que a Endemol exportará a ideia a outros países já no ano que vem. “Cada vez mais estamos exportando. Nos últimos anos já mandamos um reality de cabelos que foi para Portugal e um de cervejas que vai para a Espanha e são todas as ideias brasileiras. No ano que vem, o Me Poupe vai viajar pelo Mundo”, afirma CEO da Endemol.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem