Televisão

Debora Lamm se emociona em despedida de 'Malhação': 'Toda família é digna de trama de novela'

Última cena da atriz vai ao ar nesta quarta-feira (13)

Debora Lamm

Debora Lamm Zanone Fraissat

Cris Veronez
Rio de Janeiro

Debora Lamm, 41, participou de apenas uma quinzena de “Malhação - Vidas Brasileiras”, mas já foi o suficiente para que a atriz se emocionasse bastante ao dar adeus à personagem Nina Burana – uma rockstar decadente, mas descolada, com pitadas de Rita Lee e Baby do Brasil –cuja última cena vai ao ar nesta quarta (13).

“A última cena da Nina e do Tito foi desafiadora. Foi difícil conter a emoção, porque ela chegou de verdade. Esta cena foi também a última da personagem na trama, a minha despedida do papel.”

Na novela teen, Nina é a mãe de Tito (Tom Karabachian, 22). O adolescente, que passou a vida inteira achando que ela tinha morrido em um acidente de carro, descobre que na verdade a rockstar o deixou aos cuidados do avô porque não se sentia capaz de incluir o filho em sua vida de celebridade.

Karabachian também elegeu duas cenas como as mais difíceis: o momento em que Tito descobre, através de uma carta, que Nina é sua mãe e a primeira conversa entre o adolescente e a rockstar.

“Foi uma mistura de tantos sentimentos… Tristeza por ter sido abandonado, raiva por ela tê-lo deixado e uma alegria por tê-la reencontrado. Ele ficou muito mexido. Foi uma quinzena em que pude explorar o personagem em vários lugares”, disse.

Lamm revela que nunca teve um reencontro tão marcante como o de Nina e Tito em sua vida, mas acredita que o âmbito familiar seja um prato cheio para inspirar folhetins: “Acho que toda família é digna de trama de novela [risos]. Família é uma novela.”

Tom elege o reencontro com o amigo de infância Bernardo, a quem chama de irmão, como o mais marcantes de sua vida.

“Ele mora em São Paulo e quando éramos pequenos sempre passávamos as férias juntos. Em uma fase da nossa vida esses encontros ficaram complicados, por causa dos compromissos e responsabilidades. A gente parou de se ver e há uns quatro anos nos reencontramos e foi incrível. A gente se redescobriu, conversamos sobre a nossa vida… Foi o reencontro mais bacana que tive.”

Enquanto muitos jovens que gostam de música têm em comum o sonho de se tornarem celebridades musicais, ser uma rockstar nunca fez parte dos desejos de adolescente de Debora Lamm.

“Eu gostava muito de ouvir música, mas nunca tive sonho de ser rockstar. Engraçado que eu sempre fui meio pé no chão. Eu tinha uma coisa de viver a cada dia, e não um grande sonho.”

Esta é a primeira vez que a atriz interpreta uma mãe. Ao falar sobre suas referências, ela ressalta que gerar um filho não é pré-requisito para que uma pessoa tenha sentimentos maternais.

“Mesmo nunca tendo engravidado, [a inspiração para viver uma mãe] vem de dentro de mim mesma, da minha capacidade maternal de cuidar das coisas e também da minha própria mãe. Vem desse instinto maternal que não só as mulheres têm, mas que os seres humanos em geral possuem. Vem também da minha própria mãe”.

Aos 41 anos, a atriz conta que a energia do set de gravações da novela teen é próspera e renovadora, e que adora estar cercada de jovens.

A relação de Debora Lamm e de Tom Karabachian vai além do set e eles já se conheciam antes de contracenarem.

“Sou amiga da mãe dele [Naná Karabachian]. Já tínhamos carinho um pelo outro e o encontro em cena foi muito amoroso e natural ao mesmo tempo. Foi uma química incrível”, disse Lamm, que chamou o companheiro de cena carinhosamente de “Tomtom”.

O ator retribuiu: “A Debora é maravilhosa. Fiquei completamente apaixonado por ela. Já a conhecia pelo Tablado [escola de teatro], onde cresci e estudei por seis anos. Ela foi professora de lá. Trabalhando com ela, fiquei mais apaixonado ainda. Ela é uma atriz e um ser humano maravilhoso, que pensa no no outro e é aberta ao jogo cênico. Ela é uma professora, uma mãe, tudo. Quero agradecer imensamente por ter tido a oportunidade de trabalhar com ela.”

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem