Televisão

Jeniffer Dias, a Dandara de 'Malhação', diz estar feliz ao dar voz à luta contra racismo e sexismo

A atriz também é idealizadora do projeto cultural 111 no Rio

A atriz Jeniffer Dias  como Dandara de "Malhação"
A atriz Jeniffer Dias como Dandara de "Malhação" - Divulgação
Cris Veronez
Rio de Janeiro

Dandara, personagem de Jeniffer Dias em "Malhação - Vidas Brasileiras" (Globo), chegou causando ao Colégio Sapiência, após um intercâmbio no Canadá. A filha do diretor Marcelo (Bukassa Kabengele) é engajada em causas políticas e sociais, não leva desaforo para casa e bate de frente com todos que julgar necessário, inclusive com o pai. 

"Dandara é uma personagem muito especial. É a primeira vez que se fala tão abertamente sobre racismo, machismo, sexismo... Fico feliz por estar dando voz a todas essas questões importantes", afirma a atriz de 27 anos. 

Esse é o segundo papel de Dias na televisão –antes, ela havia interpretado a personagem Luana na novela "Novo Mundo" (2017). De lá para cá, ela sente que evoluiu bastante. "Essa é minha primeira protagonista e isso por si só traz um peso muito maior. A quantidade de falas, a repercussão com o público, a mudança na rotina... Tudo isso faz com o que a gente amadureça, para dar conta das demandas."

Apesar de assumir que Dandara ultrapassa os limites do bom senso, de vez em quando, Dias afirma que as pessoas precisam de posicionar mais e terem mais empatia. "Parem de dizer que é mimimi, porque não é. É tudo verdade, e é necessário que seja dito, para que de alguma forma aconteça uma transformação."

Em capítulo recente da trama, o diretor Marcelo (Bukassa Kabengele) disse à filha que, tentando fazer justiça, ela acaba sendo injusta. Isso porque Dandara colou cartazes pelo colégio ironizando o fato de Marcelo ter criticando o aluno Michael (Pedro Vinícius), que chegou ao colégio usando saia.

"Ele diz isso porque muitas vezes Dandara extrapola. É um pouco agressiva no jeito de falar e agir. Mas defendo minha personagem [risos]. Nesse contexto que Marcelo falou que ela estava sendo injusta, se ela não agisse dessa maneira não aconteceria nenhuma revolução", afirma a atriz, ressaltando que o temperamento da personagem se justifica por ela ser muito jovem.

Dias, no entanto, acredita que pai e filha vão conseguir equilibrar melhor a relação. "Apesar de ela amar esse pai, ela acha que ele deveria se posicionar mais. Acredita que ele deveria como Martin Luther King, um Lázaro Ramos, só que não. Mas independentemente disso eles se amam. Família é assim mesmo. A gente briga com quem a gente gosta."

Nesta quinta (20), Dandara foi eleita presidente do grêmio estudantil de Sapiência. Ela também tem um affair com Hugo (Leonardo Bittencourt), que a protegeu de um rapaz na rua.  Mesmo diante da ajuda, a jovem manteve a dureza de quem sabe que na vida é preciso estar atenta às facilidades que se apresentam. Depois, ela acabou se rendendo a um beijo. O casal, inclusive, já é shippado pelos fãs. 

"Dei muita sorte. Leo é muito generoso e desde o dia do teste me abraçou de peito aberto. Estamos caminhando juntos. Bukassa então, nem se fala. Que privilégio tê-lo como pai na dramaturgia. Sempre admirei o trabalho dele, e aprendo muito. Mais amoroso que esse cara, estou pra ver", afirma a atriz.

ENGAJADA DENTRO E FORA DE CENA

Ao lado das amigas Lorena e Lívia, Jeniffer Dias criou um sarau chamado Projeto 111, um evento de resistência cultural no Rio de Janeiro. "A arte deve ser respeitada e valorizada. No sarau, chamamos gente de periferia e pessoas que não são, criando um intercâmbio cultural. Acho importante mostrar que existem jovens incríveis fora e dentro da periferia. Sentia falta disso nos circuitos artísticos."

As três edições do projeto, que acaba de completar um ano, aconteceram em um espaço de coworking na Praça 11, no centro do Rio. O evento tem exibição de obra artística seguida de debate e shows, que são entremeados por poesias faladas. Em 11 de setembro, a atriz Pally Siqueira, também do elenco atual de "Malhação", pinta uma obra ao vivo. 

Segundo Dias, o público triplicou de uma edição para a outra, somando um total de 600 pagantes. A entrada é consciente, com valor sugerido de R$ 20, mas qualquer pessoa pode entrar. "Metade desse valor é dividido entre os artistas. Artistas que se conheceram no Projeto se uniram para criar novos trabalhos artísticos.

"A designação Projeto 111 também é significativa, pois a proposta surgiu a princípio por conta da data de estreia [dia 11/11]. Depois, fomos descobrindo outras coisas: o local onde foi realizado a primeira e a segunda edição está localizado na Praça 11 número 1; somos 3 mulheres (1+1+1); 111 é o número de tiros dados por policiais militares contra um carro com cinco homens pretos inocentes, em 2015, no bairro de Costa Barros, no Rio; 111 é o número de presos mortos no Carandiru, quase todos pretos."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias