Comic Con

Panini investe em quadrinhos da DC para adultos, lança 'Stranger Things' e aposta em novo X-Men

Grupo editorial esteve na CCXP anunciando suas novidades para 2020

Panini apresenta novidades para 2020 na CCXP 2019
Panini apresenta novidades para 2020 na CCXP 2019 - Divulgação
São Paulo

O efeito dos filmes de super-heróis é nítido nas histórias em quadrinhos. Não só o mercado cresce, como os longas conseguem interferir nas histórias contadas nas HQs, e vice-versa. A Panini comprovou isso ao anunciar suas novidades na sexta-feira (6), na Comic Con Experience em São Paulo.

Aguardada pelos fãs, uma das principais novidades da editora são as quatro edições de "Dinastia X", minissérie que reformula o universo dos "X-Men". "É algo que vai mudar definitivamente a cara dos X-Men para os próximos anos, uma nova empreitada para poder reposicionar os mutantes, obviamente visando os cinemas", afirma o editor líder da Panini Brasil, Levi Trindade, em entrevista ao F5.

O título é do roteirista Jonathan Hickman, que segundo Trindade, já conseguiu trazer elementos das HQs de Vingadores para o filme “Vingadores: Guerra Infinita”, como a raça de monstros que ele criou para acompanhar Thanos ao atravessar as barreiras de Wakanda.

"Muita coisa é incorporada dos quadrinhos com o passar dos tempos. E para os X-Men, eu tenho certeza que a Marvel vai aproveitar essa fase que eles estão entrando agora. Muita coisa mudou para os X-Men, e isso pode ser um novo começo para o cinema”, diz o editor.

Entre os exemplos famosos estão os quadrinhos que já conseguiram mudar até mesmo a aparência de um personagem –Nick Fury, por exemplo, que é originalmente um veterano de guerra caucasiano, e não negro, como nos filmes.

A cor da pele foi alterada primeiramente nos quadrinhos, diz Trindade, nos anos 2000, quando roteiristas pediram ao ator Samuel L. Jackson a permissão para usar suas feições no personagem. O ator não só aceitou, como pediu para que interpretasse Fury em uma futura adaptação para o cinema --o que aconteceu.

O caminho contrário também acontece: o Homem de Ferro piadista dos cinemas foi incorporado nos quadrinhos, nos quais, originalmente, ele era mais sério, assim como o Dr. Estranho. “A gente vai se adaptando ao gosto do consumidor, para que espelhe uma parte do que ele viu nos cinemas”, diz Trindade.

“Há muita procura por materiais relacionados a um filme quando ele sai (...) mas as editoras nem sempre estão sintonizadas com o que as pessoas veem na tela. O grande desafio das editoras é fazer esse público do cinema vir para os quadrinhos e permanecer."

Outra grande novidade anunciada na CCXP é o investimento da Panini em títulos do selo Black Label, que substituiu a Vertigo. Voltado para adultos, por conter violência gráfica mais forte e até erotismo, além de narrativas mais complicadas, o selo publica histórias de personagens da DC.

Entre as novidades estão "Batman – A Maldição do Cavaleiro Branco" (nove edições), "Batman – O Último Cavaleiro da Terra" (três edições), "Superman – Ano Um" (três edições) e “Arlequina – Harleen” (três edições).

“A DC, assim que encerrou o selo Vertigo, priorizou o selo Black Label. Aqui no Brasil, a gente precisa dar corpo a esse selo”, afirma Trindade. “Começamos neste ano com 'Batman: Amaldiçoado'. Agora, tudo o que era Vertigo vai passar a ser Black Label, inclusive 'Sandman'. Vamos trazer as grandes obras, focadas no Superman, no Batman e na Arlequina, porque tem filme anunciado."

Por último, mas não menos importante, destacam-se o lançamento de "Stranger Things – Volume 1", adaptação da série da Netflix, e "The Walking Dead", volumes 27 a 32, que serão os últimos da famosa série de zumbis. E uma coleção comemorativa dos 60 anos da Maurício de Sousa Produções, com livros focados em cada um dos personagens da Turma da Mônica.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem